Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Mazola Jr defende tecnologia no futebol e mostra carinho pela torcida carvoeira

Treinador do Criciúma esteve no Do Avesso, falando sobre a carreira e os quatro meses que comanda o Tigre
Por Erik Behenck Criciúma - SC, 11/09/2018 - 14:32Atualizado em 11/09/2018 - 14:45
(foto: Arthur Lessa)
(foto: Arthur Lessa)

Técnico do Criciúma há quatro meses, Mazola Júnior esteve no Programa do Avesso, da Rádio Som Maior, falando sobre o início no futebol, desenvolvimento da carreira e período no Tigre. Tudo começou aos dez anos de idade, quando passou a treinar na Ponte Preta, a carreira como jogador profissional durou até os 28 anos, sendo interrompida por uma grave lesão.

A carreira de treinador iniciou em 1996, sendo auxiliar na categoria sub-20 do clube que lhe revelou. "Eu já trabalhei em cinco países, em 30 cidades. Sem dúvida nenhuma o Campeonato Brasileiro é o mais disputado do mundo. Na Série B tem muitas viagens com braços de ônibus, inclusive Criciúma é uma delas. Não é qualquer um que sobrevive", analisou.

Mazola Júnior disse que trabalhar em Criciúma é tranquilo por existir só um grande clube na cidade, enquanto em outros lugares, como Goiânia, onde trabalhou no Vila Nova e em Belém, tendo passado pelo Paysandu, é mais delicado. Nestes outros locais a cobrança da imprensa é maior e também existem outros fatores.

“Em 2014 eu trabalhava no Paysandu e era ano eleitoral. Por lá os times também estão ligados a política. Eu soube de um esquema e fiz uma denúncia, então acabei recebendo ameaça de morte”, contou o treinador. "Me mandaram imagens e disseram que era fácil me pegar. Eu mandei minha família toda embora. Durou aproximadamente um mês", completou.

Foto: Luana Mazzuchello

Trabalho no Criciúma

Estrou pelo Criciúma em partida contra o Juventude no Heriberto Hülse, o jogo terminou empatado por 0 a 0. Era a 6ª rodada da Série B e o Tigre havia perdido todas. A primeira vitória veio apenas na 8ª rodada, em jogo contra o Avaí fora de casa.

“O ambiente quando o torcedor tá do mesmo lado da equipe, os fluídos são totalmente diferentes. Eu tenho certeza absoluta disso. Aqui em Criciúma, mesmo na fase ruim, na zona de rebaixamento, perdendo jogos, nunca teve nenhum tipo de falta de respeito comigo. Eu moro no centro e sempre ando a pé”, destacou.

Com 21 jogos em seu comando, o tricolor somou 32 pontos e ocupa atualmente a 14ª posição. São oito vitórias, oito empates e cinco derrotas, na última partida conquistou três pontos contra o líder, já o próximo jogo é clássico e também será em casa. “Vamos recordar que nossa arrancada na competição aconteceu contra o Avaí, lá em Florianópolis. É um horário ótimo, sábado 16h30, queremos contar com o apoio do torcedor e um clima áureo no Majestoso”.

Tecnologia no futebol

Mazola acredita que é importante profissionalismo no futebol. Isso também passa pela utilização de tecnologias, como o árbitro de vídeo (VAR). "Sou totalmente a favor. Nos jogos que tem transmissão na TV, como a Série A e a Série B precisa ter. Muitas vezes a vida de um profissional é decidida por erro humano", comentou.

Confira o Programa do Avesso na íntegra: