Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Fernando Carneiro e suas incontáveis viagens

Arquiteto foi o entrevistado do Nomes & Marcas deste sábado e revelou o segredo para se manter ativo aos 86 anos
Por Erik Behenck Criciúma - SC, 16/06/2018 - 15:15

Ele viajou pelos cinco continentes, conheceu mais de mil igrejas e foi o primeiro arquiteto de Santa Catarina. Adelor Lessa entrevistou Fernando Carneiro no Nomes & Marcas deste sábado (16). No programa, ele falou sobre a sua cidade favorita, o amor pelo futebol e obras de sua carreira.

Fernando Carneiro projetou mais de 20 túmulos em Criciúma, além de outros em Içara e Araranguá. Entre os principais projetos, ele destacou o prédio da antiga TV Eldorado e a Villa Francioni, uma vinícola de São Joaquim.

“Eu sempre fiz de tudo, e não é qualquer um que tem esse privilégio de fazer todos os artigos de arquitetura. Quando eu me formei em 1954, fiquei praticamente 20 anos sozinho aqui na região, todos que queriam um arquiteto caiam nas minhas mãos”, disse.

Ainda durante a faculdade, começou a fazer viagens internacionais, a primeira delas foi para a Argentina, depois Paraguai, onde assistiu um jogo das Eliminatórias para a Copa do Mundo de 1970. Ainda em relação ao futebol, é sócio do Criciúma desde 1956, na época Comerciário, e diz comparecer a 90% dos jogos no Heriberto Hülse.

“Em 1970 eu e mais três amigos fomos ao México assistir os jogos do Brasil. Além dos jogos do Brasil, assistimos Peru x Alemanha e Alemanha x Itália. Como eu fiquei 22 dias lá, durante os jogos, dava para visitar cidades, como Guadalajara, Acapulco e Cidade do México, íamos de trem”, lembrou.

O arquiteto viajou para a Rússia, onde está acompanhando mais um Mundial, aliás, vai completar 87 anos durante a Copa. “O país que faz os jogos, eles se transformam completamente. As cidades se transformam, cada esquina é uma música, a cidade toda paramentada, muito bonito”, afirmou Carneiro.

Segundo ele, em todo lugar tem coisa interessante para ver. Quando perguntado qual sua cidade favorita, disse ser Paris, porém diz não conhecer nada por lá. “Eu gosto de Paris, mas São Petersburgo é muito bonita, e é uma cidade jovem, ela tem 300 anos. Como beleza natural é Rio de Janeiro, Cingapura e Hong Kong”.

São tantas viagens que ele não sabe o número exato, incluindo cidades como Praga (República Tcheca), Sidney (Austrália), Hong Kong (China), Macau, Veneza (Itália) e Florença (Itália). Ainda sobre a Rússia, lembrou um fato curioso: “Eu fui para lá dez anos após a Segunda Guerra Mundial. Não se via jovens, apenas crianças e velhos”, pontuou.

Carneiro revelou o segredo para manter toda essa disposição aos 86 anos. “Eu tomo vinho tinto todos os dias no almoço, isso a conselho do meu médico. Eu moro no meio do mato na cidade, eu planto muito, também corto grama e faço tudo dentro de casa, conserto encanamento”.

Ainda durante a conversa, o arquiteto destacou uma ação que melhoraria o trânsito de Criciúma. “Eu acho que nos anéis viários principais devem ser mão única, acabar com o estacionamento e fazer mais uma faixa. Aliás, eu que dei essa ideia para a Hercílio Luz”, finalizou.