Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Exportação de milho por Imbituba bate recorde

Desde janeiro, o porto do sul catarinense já embarcou mais de 765 mil toneladas do grão
Redação
Por Redação Imbituba, SC, 24/10/2019 - 14:06
Divulgação
Divulgação

A exportação de milho tem se destacado na movimentação de cargas do Porto de Imbituba. De janeiro a setembro de 2019 foram embarcadas mais de 765 mil toneladas do grão. O volume ultrapassa o resultado de 2016, quando foram exportadas 470 mil toneladas do grão no mesmo período, e entra para a história do Porto como um novo recorde operacional.

Se em 2018, o complexo portuário enviou ao exterior apenas um navio de milho, em 2019 já atracaram em Imbituba 20 navios para embarque do grão agrícola, um incremento de 2.640% na operação do grão. Até novembro, mais dois navios são esperados para carregar em Imbituba aproximadamente 134 mil toneladas de milho. Com essas operações, o Porto de Imbituba fechará 2019 com recorde na movimentação total de milho (considerando importação e exportação), superando o volume movimentado em 2016, de 950 mil toneladas.

O crescimento acompanha os resultados da excelente safra brasileira de grãos, onde o milho representa uma das principais lavouras do país. A competitividade que o produto alcançou no âmbito internacional, especialmente com a abertura de novos mercados, também refletiu na movimentação do Porto de Imbituba. Os navios carregados em Imbituba têm como principal destino o Oriente Médio.

Para Jamazi Alfredo Ziegler, diretor-presidente da SCPar Porto de Imbituba, estatal que administra o Porto, além do cenário produtivo e de exportações, favoráveis ao aumento das operações portuárias, “esse crescimento é resultado do trabalho contínuo e incansável da comunidade portuária de Imbituba junto ao mercado para a atração de cargas, mostrando o nosso Porto como uma solução logística eficiente e de qualidade. Só temos a agradecer o apoio que esses agentes, como os operadores e trabalhadores portuários, têm proporcionado ao desenvolvimento catarinense”.