Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Empresa içarense veste zebra do futebol brasileiro

Aparecidense eliminou o Botafogo na Copa do Brasil, e tem material esportivo fornecido pela Embratex
Erik Behenck
Por Erik Behenck Criciúma - SC, 08/02/2018 - 17:23Atualizado em 08/02/2018 - 17:26
(foto: reprodução)
(foto: reprodução)

A Copa do Brasil é tida como a competição mais democrática do futebol brasileiro. Na terça-feira (6), a Aparecidense, um desconhecido clube de Goiás, surpreendeu ao vencer o Botafogo por 2 a 1 e avançar para a segunda fase. O material esportivo do clube é fornecido pela Embratex, empresa de Içara.

“Ela tá repercutindo em tudo que é lugar. Até em outros estados, tenho recebido bastante ligações, a transmissão da partida na TV ajudou”, afirmou o empresário e dono da Embratex, José Alberto Spillere, o Beto Spillere.

A empresa fornece material esportivo para dez equipes, incluindo o Criciúma e o Boa Esporte. A parceria com a Aparecidense é recente, com contrato assinado em 2017, a estreia aconteceu em 2018, e foi pé quente.

“É um trabalho que a empresa faz. É um trabalho de comunicação. Já estamos negociando com alguns clubes para o ano que vem. Além da Aparecidense, neste ano começamos fornecer para o Moto Club (MA), Vitória (PE) e Imperatriz (MA)”, contou Spillere.

Diferença de preço nas camisas

Beto Spillere é envolvido com o futebol do Criciúma há mais de 30 anos. Quando o Tigre venceu a Copa do Brasil, em 1991, ele pintava camisetas, fazendo mais de 10 mil em uma semana. Hoje, a Embratex distribui 12 mil camisas por ano para o Criciúma, mas apenas 2.800 são vendidas. “A gente dá uma atenção a mais por ser torcedor”, afirmou.

A diferença de preços entre as camisas de Aparecidense e Criciúma chama atenção, a primeira é vendida a R$ 99,90, enquanto a segunda sai por R$ 169,90. A empresa é responsável pela fabricação de toda a linha das equipes. Spillere afirmou que o preço final depende do clube, mas que o valor também é influenciado pelo material utilizado na confecção.

“A diferença se dá principalmente pela publicidade, dentro da matéria-prima. Tem a parte emborrachada, a Caixa exigia que a logo tivesse o mesmo material em todos os clubes. A do Criciúma é colocada em filmes de recorte, que vêm da Alemanha”, explicou o empresário.

Spillere afirmou que no Brasil as empresas são marcas alugadas e que a Embratex compra a matéria-prima nos mesmos locais das grandes grifes. A nova camisa do Criciúma deve ser lançada em breve, mas ainda sem data definida.

“Eles estão avaliando uma data. Estão trabalhando na renovação dos patrocínios, então tem que definir isso primeiro. Lançar nesse momento também não seria bom, mas espero que agora melhore”, concluiu.