Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
4

Em nota, Acic e CDL defendem manutenção da atividade econômica

Entidades de Criciúma se manifestaram após decreto de lockdown no estado
Marciano Bortolin
Por Marciano Bortolin Criciúma, SC, 27/02/2021 - 16:01Atualizado em 27/02/2021 - 16:07
Foto: Arquivo/4oito
Foto: Arquivo/4oito

A Associação Empresarial de Criciúma (Acic) e a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Criciúma emitiram nota sobre o decreto de lockdown do governador Carlos Moisés da Silva (PSL). No texto, as duas entidades defendem “a manutenção da atividade econômica”. “O setor produtivo, comércio e serviços precisam permanecer em pleno funcionamento, garantindo emprego e renda, proporcionando equilíbrio social e, gerando, inclusive, recursos necessários para o próprio enfrentamento da crise. Não podemos permitir que haja retrocesso por falta de conscientização e cuidados pela população.

 

Confira a nota na íntegra:


A Associação Empresarial de Criciúma (Acic) e a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Criciúma vêm perante seus associados e sociedade reiterarem sua defesa à manutenção da atividade econômica.
O setor produtivo, comércio e serviços precisam permanecer em pleno funcionamento, garantindo emprego e renda, proporcionando equilíbrio social e, gerando, inclusive, recursos necessários para o próprio enfrentamento da crise. Não podemos permitir que haja retrocesso por falta de conscientização e cuidados pela população. Desde o início da pandemia, as empresas cumprem integralmente as regras sanitárias, mantendo a segurança de seus colaboradores e clientes, não sendo esses ambientes os principais vetores de contaminação do novo coronavírus e os mais suscetíveis ao contágio”, diz trecho da nota.

Desde o início da pandemia, as empresas cumprem integralmente as regras sanitárias, mantendo a segurança de seus colaboradores e clientes, não sendo esses ambientes os principais vetores de contaminação do novo coronavírus e os mais suscetíveis ao contágio.
Cabe às autoridades públicas uma fiscalização rigorosa, coibindo qualquer tipo de atividade que seja facilitadora da propagação do vírus, e penalizando àqueles que descumprirem os protocolos estabelecidos para o combate à pandemia, de forma veemente.
As entidades conclamam aos agentes públicos medidas urgentes de investimento em infraestrutura de saúde, para que a população receba o atendimento necessário que a situação exige, assim como reforça atenção para a total transparência no processo de vacinação.
Reafirmamos nosso compromisso de atuar junto aos órgãos de governo e aos demais segmentos organizados da sociedade na defesa de medidas sanitárias, com a preservação de vidas e a redução do impacto para a economia regional e local.
O momento é crítico, por isso, precisamos agir com cautela e bom senso, num esforço conjunto.

 

Moacir Dagostin
Presidente da Acic
 
Tiago Marangoni
Presidente da CDL Criciúma