Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
Patrocinado

Dos riscos do fumo à beleza das orquídeas e morangos

Os irmãos Carlos e Alcino Budny trocaram de cultura e são referência na produção orgânica
Por PANORAMA AGRO 09/08/2019 - 10:56Atualizado em 09/08/2019 - 17:01 * Conteúdo de responsabilidade do anunciante
(foto: Divulgação)
(foto: Divulgação)

O que a orquídea e o morango têm em comum? Além de ser o “produto” de plantas da família das Angiospermas, poucas coisas. A orquídea é uma flor exótica muito apreciada por colecionadores, enquanto o morango é uma fruta presente na mesa dos brasileiros. Em Içara, a flor e a fruta encontram um denominador comum. Foram escolhidas por dois irmãos para sustentar os negócios de agricultura familiar orgânica, ou seja, sem a utilização de agrotóxicos.

Carlos e Alcino Budny, em posse de pequenas propriedades que herdaram do pai, decidiram dar um basta na tradição local: o plantio do fumo nas pequenas propriedades. Há aproximadamente 25 anos, os Budny abandonaram o tabaco e procuraram novos mercados. A principal preocupação dos dois era com os malefícios da plantação do fumo para eles mesmos, para os consumidores e também para a natureza.

Alcino Budny na colheita do morango (foto: Heitor Araujo)

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (Inca), o cultivo do Tabaco “afeta o ar, o solo, a água e ainda causa desmatamento. O principal impacto ambiental decorrente da fumicultura é a contaminação do ar, porque a aplicação de agrotóxicos expõe não apenas o trabalhador, mas todo o entorno, já que ele é pulverizado e carregado pelo vento”.

Para otimizar o plantio nas pequenas propriedades, é comum os agricultores abusarem dos agrotóxicos. Foi esse o raciocínio que afastou Carlos e Alcino do fumo e os aproximou da orquídea e do morango.

Os dois foram criados na lavoura, especialmente na plantação do fumo. “Eu nunca gostei”, lembra Carlos. Chegou o momento em que ele recebeu a própria porção de terra e refletiu. “Eu estou plantando uma coisa que faz mal para quem consome, faz mal para o meio-ambiente. Não é uma comida e não traz felicidade para ninguém”, justificou. Assim, passou a cultivar as orquídeas. “Elas dão alegrias às pessoas”.

A orquídea

(foto: Divulgação)

Na época em que Carlos Budny optou pelo plantio da orquídea, a produção da flor era pouco comum na região. Hoje considerada uma paixão nacional para os amantes de plantas, as pétalas lilases, roxas, azuis ou brancas são alvos de colecionadores por todo o país.

Para Carlos, o cultivo da orquídea é como criar um filho. “Não acontece do dia pra noite, o processo todo envolve bastante tempo”, comenta.

Desde que começou com as orquídeas, Carlos abandonou o cultivo das hortaliças. O Orquidário Budny virou referência e atualmente garante todo o sustento da propriedade.

(foto: Divulgação)

O morango

(foto: Heitor Araujo)

Fonte de vitamina C, o morango é uma fruta tradicional nas sobremesas pelo Brasil. A melhor época para o consumo é entre abril e setembro, mas o processo para o plantio começa desde cedo, a partir de fevereiro.

Alcino Budny organiza a colheita para o começo de julho e ela vai até o fim do ano. Na propriedade, ele conta com ajuda de vizinhos e alguns diaristas. Por ano, chega a colher até 20 toneladas do morango e comercializa para supermercados de todo o Estado.

O produtor conta que participou de cursos na Epagri para fazer a migração do fumo para o morango. “Nos últimos anos em que eu plantei fumo, começou muito o aumento de fungicidas, herbicidas. Nunca gostei de trabalhar com isso, com veneno. Me foi apresentada a agricultura orgânica e me interessei. Fiz vários cursos na Epagri e comecei a plantar hortaliças, até chegar ao morango. Estou feliz, produzo bem, vendo bem e preservamos o meio-ambiente e a saúde do consumidor”, destaca Alcino.

(foto: Heitor Araujo)

Benefício para o agricultor

Alcino relembra os tempos difíceis da plantação de fumo. “Não era boa a história com o fumo. Era muito trabalhoso, com veneno. Tinha que estar dia e noite cuidando com temperatura de estufa, ficar botando lenha pra não baixar. Não gosto de lembrar. Era bem trabalhoso. Tinha que ficar se sujando no meio do fumo, cheio de veneno. Eu achava horrível”, queixa-se.

Por isso, hoje em dia Alcino fala com orgulho da agricultura de forma orgânica. “Nesta propriedade tem a marca Cultura Orgânica, todos os produtos que saem daqui são orgânicos”, crava.

Estufa de morangos da Cultura Orgânica (foto: Heitor Araujo)

“A gente foi criado no meio do fumo, a gente não tinha opção. Eu queria mudar para uma atividade que alegrasse ou alimentasse as pessoas. Que benefício traz o fumo para o ser humano?”, questiona Carlos.

O Orquidário Budny é lembrado por colecionadores de todo o país. “O nosso produto é diferenciado. O nosso foco é para consumidor e colecionador, até tem venda para supermercado e consumidora. Já somos bem conhecidos e o colecionadores vêm até nós”, finaliza Carlos.

Orquidário Budny (foto: Divulgação)