Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Deputado propõe vacinação domiciliar para pessoas com limitações de locomoção

Intenção é facilitar o acesso a quem tem dificuldades para buscar a imunização
Por Redação Florianópolis, SC, 15/08/2019 - 18:04Atualizado em 15/08/2019 - 18:16
Divulgação
Divulgação

Pessoas com deficiência motora, multideficiência, dificuldade de locomoção, doenças incapacitantes e degenerativas poderão receber em casa as vacinas necessárias para prevenção em saúde. Assunto é tema do projeto de Lei nº 0251.7/2019, de autoria do deputado estadual Sergio Motta (PRB), em tramitação na Assembleia Legislativa de Santa Catarina (ALESC). 

Encontrar uma solução para que as pessoas que sofrem com dificuldades de locomoção, seja ela permanente ou temporária, possam ser vacinadas é o cuidado que está sendo tomado pelo parlamentar ao levar este projeto para o debate no legislativo. Motta pretende chamar atenção para o assunto para que as pessoas tenham a dignidade de receber as vacinações em casa, sem passar dificuldades para chegar até o posto de saúde. 

Com isso, o deputado acredita que muitas melhorias positivas serão conquistadas. “Este direito do cidadão simboliza o que tanto falamos em defesa dos direitos humanos. As pessoas precisam ser tratadas com dignidade. Receber a vacina em casa significa prevenção em saúde, garante filas menores nas unidades de saúde e é o mínimo que podemos fazer, tratar as pessoas com respeito”, disse ele. 

O parlamentar lembra que as vacinas são essenciais para blindar o organismo de vírus e bactérias. E destaca que elas servem para combater doenças e principalmente, a transmissão das mesmas que muitas vezes causam surtos. “É importante que saibamos nos colocar no lugar do outro. Não podemos permitir que o sistema siga como está, tendo o cidadão que dar jeito para garantir sua saúde. Temos que estar atentos. Vamos trabalhar todos os dias pela melhoria na qualidade de vida das pessoas”, resumiu o parlamentar. Este projeto será analisado pelas Comissões de Constituição e Justiça (CCJ), Saúde e Comissão de Defesa dos Direitos da Pessoa com Deficiência.