Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Das pererecas à perda dos recursos, a novela da Serra do Faxinal

SC-290 é o acesso catarinense aos parques que receberão R$ 270 milhões de investimentos privados anunciados pelo Governo Federal
Gregório Silveira
Por Gregório Silveira Praia Grande, SC, 15/10/2020 - 15:35Atualizado em 15/10/2020 - 15:46
A situação da SC-290 nesta quinta-feira, dia da visita do ministro do Meio Ambiente à região / Fotos: Gregório Silveira / 4oito
A situação da SC-290 nesta quinta-feira, dia da visita do ministro do Meio Ambiente à região / Fotos: Gregório Silveira / 4oito

A SC-290,  a rodovia da Serra do Faxinal, é a ligação entre Praia Grande, no extremo sul catarinense, e Cambará do Sul, no lado do Rio Grande do Sul. Ela cumprirá papel fundamental para que os turistas tenham acesso aos parques nacionais dos Aparados da Serra e da Serra Geral, que terão gestão privada a partir do edital de concessão, liberado nesta quinta-feira, 14, pelo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, que esteve na região.

Confira também:

Até R$ 270 milhões em investimentos para Praia Grande e região

A estrada precisa de pavimentação urgentemente. Nos primeiros quilômetros as dificuldades e perigos são inúmeros. Em dia de chuva não é aconselhável aos motoristas tentarem vencer as subidas íngremes e curvas acentuadas.

As pedras espalhadas ao longo do trecho deixam o caminho ainda mais escorregadio. Às margens da rodovia, sonhos que viraram ruínas. Imóveis abandonados e pichados que um dia já foram pontos turísticos. A falta de investimento na rodovia catarinense fez muitos empreendedores perderem a luta diária para sem manterem.   

Confira também:

SC 290: O lamento de décadas continua na Serra do Faxinal

Não é uma rodovia qualquer

Na visita desta quinta, o ministro Ricardo Salles reforçou que a concessão dos parques permitirá um investimento privado de até R$ 270 milhões nos próximos trinta anos na região. Segundo o ministro, serão R$ 14 milhões já nos primeiros anos. Aí se torna ainda mais importante a pavimentação da SC-290, pois é ela o acesso aos parques para quem está em Santa Catarina. Será necessário passar pela Serra do Faxinal para conferir as belezas dos cânions que separam os dois estados.

Em uma audiência pública em outubro do ano passado, em Praia Grande, o então secretário de Estado da Infraestrutura, Carlos Hassler, dizia que a SC-290 já era uma prioridade para o Governo do Estado na região. "Pois precisamos terminar o que foi começado", disse. "Tem trechos abandonados que precisam ser refeitos e, mais do que isso, precisamos de novo das licenças ambientais, que estamos encaminhando. Não sabemos hoje o orçamento para a obra pois primeiro precisamos das licenças, que estão tramitando", destacou Hassler, na ocasião, em entrevista à Rádio Som Maior.

Confira também:

Falta de renovação em licença ambiental emperra obras na Serra do Faxinal

O Governo do Estado não tem uma atualização mais recente da situação da rodovia. Em contato com a comunicação da Secretaria de Infraestrutura, foi informado que os processos estão em tramitação para a obtenção das licenças ambientais e, em paralelo, para a busca posterior dos recursos para a obra, sem qualquer previsão de execução.

Os capítulos da novela

2014
A licitação para pavimentar 15 quilômetros de rodovia foi vencida por uma empresa portuguesa. Essa empresa chegou a se instalar no município de Praia Grande. Tudo ia bem até que um problema ambiental envolvendo a presença de pererecas em área de preservação na Serra do Faxinal fez embargar a obra. Os répteis estão ameaçados de extinção, o que forçou a paralisação dos trabalhos, inicialmente, por um ano.

2015
No fim do ano, vencido o impasse ambiental, a empresa recebeu a autorização de retomar as obras e teria o prazo de 27 meses para concluir.

2016
Novamente a obra é paralisada. Dessa vez, a empresa alegou dificuldades financeiras para continuar a pavimentação da SC-290.
 

Os capítulos dessa novela não param por ai. Com a demora e os entraves, veio a perda dos recursos. Os R$ 50 milhões do Banco Internacional de Desenvolvimento (BID) que seriam usados na obra foram investidos em obras de outras regiões do estado, tais como o acesso rodoviário a Brusque, obras em Otacílio Costa e para a construção da Via Rápida em Criciúma.