Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
CORONAVÍRUS - Saiba mais aqui

Cras Vila Miguel promove Festa Agostina itinerante para crianças e adolescentes

Profissionais levarão kit com alimentos típicos juninos até a casa dos usuários nesta quarta-feira
Redação
Por Redação Criciúma - SC, 04/08/2020 - 11:47
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Foi pensando em estratégias para cultivar os vínculos com as famílias, que o Centro de Referência de Assistência Social (Cras) Vila Miguel, promove a Festa Agostina itinerante. As crianças e adolescentes de zero a 17 anos, integrantes do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV), receberão kits de alimentos típicos juninos em suas residências. As entregas serão realizadas pelos profissionais do equipamento nesta quarta-feira (5), em dois turnos: das 9h às 11h30 e das 13h às 16h.

"Nestes tempos de isolamento social, queremos levar alegria, esperança de que dias melhores virão e manter os vínculos dos participantes e dos profissionais, para que eles lembrem das atividades que realizavam juntos", afirmou a coordenadora do SCFV, Maria Laurídia da Silva.

Dentre os quitutes que compõem o kit da Festa Agostina, estão: maçã do amor, pipoca doce e salgada, amendoim, bolo de milho, pirulitos, dentre outros. "Queremos levar alegria e esperança aos nossos participantes, pois nesta época do ano o serviço proporcionava inúmeras atividades e, inclusive, com uma grande festa junto aos participantes. Para que isso não passasse em branco, eu e as técnicas Graziela Lourenço e Jadna Mendes, resolvemos fazer este evento com todo cuidado necessário e higienização por conta da Covid-19", destacou a psicóloga e orientadora social do Cras Vila Miguel, Liliane Macan.

A secretária municipal da Assistência Social e Habitação de Criciúma, Patrícia Vedana Marques, reiterou a importância de ações como essa no sentido de amenizar o sofrimento, substituindo-o por entusiasmo. "Dentro da Assistência Social, essas ações são prioritárias e nós gostamos muito de realizá-las. Além de fortalecerem vínculos, as famílias acabam se aproximando ainda mais dos equipamentos e dos técnicos. Isso é fundamental para que a equipe possa realizar as intervenções necessárias", disse.