Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Claudinei Quirino fala sobre a democracia no atletismo

Padrinho da 3ª edição da Meia Maratona Caixa Criciúma concedeu entrevista ao Do Avesso
Erik Behenck
Por Erik Behenck Criciúma - SC, 10/09/2018 - 16:04
(foto: reprodução)
(foto: reprodução)

Claudinei Quirino é o padrinho da 3ª edição da Meia Maratona Caixa Criciúma e chegará terça-feira (11) na cidade. Com uma medalha olímpica na carreira, deixou o esporte profissional em 2006, após participar das Olimpíadas de Inverno de Turim, quando foi reserva da equipe brasileira de bobsled. Em entrevista ao Programa do Avesso ele comentou sobre o evento que acontece no próximo domingo (16).

“Hoje eu corro pouco, esses dias corri uma meia maratona, mas só para participar, eu parei. Tô aposentado hoje, só bato uma bolinha com os velhinhos, só para enganar”, contou. “Eu vou chegar amanhã em Criciúma, vou participar de alguns programas e ministrar uma palestra. Também visitar algumas crianças junto com o Edson (Luciano), então estarei em Criciúma entre quarta-feira e domingo”, destacou Quirino.

Junto com Edson Luciano, representou o Brasil na prova de 4x100m, conquistando a prata em Sidney (2000), a equipe tinha ainda André Domingos e Vicente Lenílson. Claudinei Quirino ganhou ainda diversas medalhas em campeonatos mundiais.

“No atletismo nós somos chamados de herói. Nossos atletas ultimamente tem crescido muito. A verba para o esporte muitas vezes vem, mas não chega para quem tá precisando, é um retrato do nosso país hoje. O Governo tem vários incentivos, mas para chegar na pessoa certa é outra coisa, então o atletismo fica um pouquinho para trás”, afirmou o ex-atleta.

As inscrições para a Meia Maratona de Criciúma seguem abertas e como definiu o padrinho desta edição, a corrida é democrática. Também existe uma opção de caminhada de 5 km. Claudinei Quirino irá entregar medalhas e participar de todo o cerimonial do evento. Antes, na quinta-feira (13), virá ao estúdio da Som Maior para participar novamente do Programa do Avesso.

“O atletismo hoje é um dos esportes mais democráticos do mundo, qualquer pessoa pode participar da meia maratona, basta fazer a inscrição. Pode disputar um campeão do mundo, em que prova vai competir um amador com um profissional? Só no atletismo consegue isso”, concluiu o medalhista olímpico.