Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Abacaxis apreendidos são entregues para entidades

Frutas eram comercializadas sem autorização e foram apanhadas por fiscais em Criciúma
Redação
Por Redação Criciúma, SC, 14/11/2019 - 17:32Atualizado em 14/11/2019 - 17:53
Divulgação
Divulgação

A Divisão de Fiscalização Urbana (DFU) do Governo de Criciúma, distribuiu nesta quinta-feira, 14, uma carga de abacaxi entre três instituições de caridade. As frutas estavam sendo comercializadas sem autorização, o que é impedido pela Lei nº 2513/1990 e pelo Código de Postura do Município. A fiscalização do comércio de ambulantes é feita diariamente em Criciúma.

A Casa Guido, o Instituto de Educação Especial Diomício Freitas e a Associação Beneficente Nossa Casa foram as beneficiadas com a carga da fruta, mas segundo o coordenador do DFU, Adriano Batista da Silva, é feito revezamento para que todas a entidades registradas na Secretaria de Assistência Social, possam ser atendidas. “Nós temos uma lista de entidades registradas e, sempre que há uma apreensão de produtos perecíveis e o resgate não é feito pelo proprietário, a doação é encaminhada”, afirmou o coordenador.

Segundo ele existe um prazo legal para que os donos resgatem as mercadorias, sendo 24 horas para produtos perecíveis, que depois podem ser doados, e 30 dias corridos para produtos não perecíveis, que se não resgatados são encaminhados a leilão. “Os produtos apreendidos ficam armazenados em local correto à espera dos donos, que mediante pagamento de multa e comprovação de origem do produto, podem reaver as mercadorias”, acrescentou o coordenador.

Ele explica ainda, que em um primeiro momento o ambulante é orientado a se adequar, mas se for reincidente, recebe notificação e a mercadoria é recolhida. “Não é nosso objetivo impedir o comércio e nem prejudicar os ambulantes, mas se existe uma legislação, ela deve ser cumprida, até em respeito aos demais comerciantes que pagam seus impostos em dia”, informou o Adriano Batista, afirmando ainda que “o trabalho de fiscalização mostra a eficácia da integridade do serviço público, com responsabilidade perante o cidadão de bem”.