Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Quantos candidatos a governador o Mdb vai lançar este ano?

Por Upiara Boschi Edição 03/06/2022
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Um caso curioso da eleição para prefeito de São Paulo em 2016 tem tudo para acontecer de forma semelhante na disputa pelo governo catarinense este ano. Lá em terras paulistanas, o então prefeito Fernando Haddad (Pt) fazia campanha na periferia quando ouviu de uma senhora que tinha o hábito de votar nas candidaturas petistas uma pergunta de uma simplicidade brutal:

– Por que o Pt lançou três candidatos este ano?

Ela se referia à presença na disputa das ex-prefeitas Marta Suplicy (que estava no Mdb) e Luiza Erundina (Psol), ambas eleitas pelo Pt quando governaram a cidade de São Paulo. O eleitor que tem mais o que fazer além de viver o dia a dia da política, das disputas internas e interesses que dividem antigos aliados por diversas siglas, é a maioria a ser conquistada. É sempre bom lembrar isso. O Mdb catarinense, maior partido do Estado, pode viver uma situação semelhante à que viveram os petistas paulistanos em 2016.

O partido tem um pré-candidato, Antídio Lunelli, que luta para levar o 15 para a urna. Dentro do partido, mandatários – especialmente deputados estaduais e prefeitos – trabalham para que o partido componha com o governador Carlos Moisés (Republicanos), que ofereceria à legenda as vagas de vice-governador e senador em sua chapa. Na manhã de terça-feira, a executiva estadual convocada pelos moisezistas à revelia do presidente estadual Celso Maldaner propôs outra convocação: desta vez, do diretório estadual, para que sejam colocadas na mesa de forma oficial todas as possibilidades que o Mdb tem. As articulações de Antídio, a proposta de Moisés, encaminhamentos de Gean Loureiro (União) e Jorginho Mello (Pl), se houverem.

Saindo um pouco do cabo de guerra entre a direção estadual e os mandatários emedebistas, não é difícil imaginar que em outubro um eleitor acostumado a votar no Mdb pergunte por que o partido lançou mais de uma candidatura – como a senhora simpatizante do Pt perguntou a Haddad em 2016. Digamos que Antídio fique pelo caminho e os emedebistas apoiem oficialmente o Republicanos – ou seja, deixando o 15 fora da urna eletrônica na disputa pelo governo. Nesse cenário, teríamos a possibilidade de que esse Moisés apoiado pelo Mdb enfrente o ex-emedebista Gean Loureiro, o ex-emedebista Dário Berger (Psb) e, de quebra, o senador Jorginho Mello (Pl) com a suplente Ivete da Silveira (Mdb), viúva de Luiz Henrique da Silveira, no horário eleitoral chamando os emedebistas a votar no parceiro.

O que vai fazer o eleitor do Mdb? Note que eu não estou falando dos nove deputados estaduais e seus suplentes, nem dos três deputados federais, dos 97 prefeitos, dos 795 vereadores, dos 295 presidentes municipais do partido, dos cerca de 10 mil integrantes de diretórios e nem mesmo dos 187 mil filiados à legenda no Estado. Estou falando do eleitor que não vive o dia a dia da legenda, mas que costuma votar no 15. Um contingente que em 2018 deu à candidatura de Mauro Mariani (Mdb) 23% dos votos válidos na eleição catarinense mesmo com a Onda Jair Bolsonaro impulsionando o 17. Insuficientes para levar o ex-deputado federal ao segundo turno, mas expressão de resistência relevante do partido em seu pior momento político.

Talvez esse eleitor não entenda esse Mdb fragmentado, sem 15 na urna, e com tantas figuras familiares na disputa. E se o 15 estiver na urna, com Antídio, sem alianças, fará diferença? Essa é a pergunta que os emedebistas de carteirinha terão que responder nas próximas semanas e, em última instância, na convenção do partido dia 5 de agosto. Sem esquecer daquele emedebista sem carteirinha que não está preocupado com as disputas internas do partido. O eleitor do Mdb é maior que lideranças e caciques – e será disputado por todos os candidatos, inclusive o do Mdb, se houver.

Copyright © 2021.
Todos os direitos reservados ao Portal 4oito