Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Sindisaúde protesta em frente ao HSJB. Gestor nega frase polêmica

Sindicato acusou administrador de comparar trabalhos prestados por funcionários a papel higiênico
Por Clara Floriano Criciúma - SC, 08/11/2017 - 11:36Atualizado em 08/11/2017 - 11:40

O Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Serviços de Saúde de Criciúma e Região (Sindisaúde) está em frente ao Hospital São João Batista, desde às 9h30 da manhã desta quarta-feira (8), em protesto. Segundo o Sindicato, uma dezena de funcionários reclamou anônima e diretamente que o administrador da instituição teria dito que “os trabalhadores que ali trabalham não valem o papel higiênico utilizado em sua casa”.

“É um descaso com esses trabalhadores. Por isso estamos em frente ao hospital com uma tenda. Nela temos faixas com palavras de ordem que fazem alusão ao que foi dito e vários rolos de papel higiênico. Temos essa perseguição sindical dentro do hospital. Os trabalhadores ouviram isso. Isso é um descaso total. Os trabalhadores já não recebem um salário compatível com o serviço prestado e ainda tem que escutar esse tipo de coisa”, desabafou João Batista Estevam, presidente do Sindisaúde.

O presidente contou que não é a primeira vez que o Sindicato recebe reclamações de trabalhadores do HSJB. “Os trabalhadores pedem sigilo, mas já recebemos muitas reclamações em relação ao tratamento da administração. A manifestação começou às 9h30, mas segue até a troca de plantão na parte da tarde”, explicou.

Administração nega acusações

O diretor-geral do Hospital São João Batista, Leandro Avany Nunes, negou as acusações e disse que a instituição da todo o aporte aos funcionários. “Acho improvável comentar um ‘diz que me diz que’. Deve ter sido um funcionário que saiu chateado com a instituição”, comentou.

O diretor ressaltou que o hospital realiza trabalhos e proporciona benefícios para contribuir com o bem-estar dos funcionários, como, por exemplo, o Projeto Felicidade e bonificações oferecidas. “Estamos em fase de finalização de um plano de saúde para os funcionários, isso se o sindicato deixar. Gostaríamos de conversar com o sindicato sobre isso”, esclareceu.

Sobre o protesto, Nunes disse não estar preocupado já que está com a consciência limpa e, daqui a pouco, os sindicalistas devem desistir do protesto. “Isso jamais ia acontecer em uma instituição que está voltando a se consolidar. Esse tipo de frase é coisa de sindicalistas. Parece que o Sindicato está se sentindo desvalorizado e quer que a gente demita os 230 funcionários da instituição. Quem falaria algo desse tipo em uma instituição como o Hospital São João?!”, questionou.