Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Segue a preparação para o Simpósio sobre Transtorno do Espectro Autista

Evento acontece na Unesc entre os dias 30 e 31 e agosto, sendo organizado pela AMA
Por Erik Behenck Criciúma - SC, 09/08/2019 - 08:31Atualizado em 09/08/2019 - 08:36
(fotos: Erik Behenck)
(fotos: Erik Behenck)

Acontecerá nos dias 30 e 31 de agosto o 1º Simpósio Sul Catarinense sobre o Transtorno do Espectro Autista (TEA). O evento é organizado pela Associação de Amigos do Autista (AMA), com apoio da Unesc, que sediará as atividades. O Programa Adelor Lessa recebeu representantes da AMA, que falaram sobre os trabalhos realizados.

“Sabe-se que o transtorno tem afetado cada fez mais crianças. Temos projeções de que em 2020 aconteça um caso a cada 41 crianças, antes era um para 56. Ainda não temos números tão fieis e hoje temos novas possibilidades de investigar a patologia”, comentou o médico voluntário, Jaime Lin.

Conforme a colaboradora da AMA, Jussara Fretta, os recursos levantados pelo evento ajudarão na reforma da nova sede, que recentemente sofreu com assaltos. Segundo ela, é preciso que o Estado se preocupe com as crianças neste tipo de situação, passando a ser uma referência.

“Não podemos esquecer que temos a lei da inclusão, toda criança quando tem o diagnóstico deve ter um professor auxiliar. É preciso ver a postura da escola, como se porta em relação a essas crianças. Nem sempre estamos preparados, isso acontece no andar do caminho”, disse Jussara.

Ainda em relação a inclusão, quem sofre com o TEA pode encontrar dificuldade nas escolas. “É uma realidade bem difícil no ensino regular. Ele tem comportamentos que, vamos dizer, vai contra a turma. Tem que ser preparado para isso, já que não pode ser excluído e deixado de lado. Esse é o papel do ensino regular”, afirmou a psicóloga da AMA, Susana Marcolino.

O médico disse que o Simpósio tentará fazer uma ponte, entre como os casos eram tratados no passado e como são atualmente. “No Brasil, entre o começo dos sintomas e o diagnóstico é de oito anos. Quanto mais cedo iniciar o diagnóstico, mais chance de melhora. Hoje temos equipes interdisciplinares altamente competentes, que conseguem perceber estes sinais”, destacou Lin.

As inscrições saguem abertas pela internet. Acesse e saiba mais informações sobre os palestrantes.

Tags: AUTISMO AMA