Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
4

“Recebemos muitos não. Eles querem ficar onde estão”, diz secretário de Içara sobre moradores de rua

Entidades do município seguem fazendo abordagens devido ao frio intenso
Marciano Bortolin
Por Marciano Bortolin Içara, SC, 29/07/2021 - 18:46Atualizado em 29/07/2021 - 18:59
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

As abordagens aos moradores de rua em cidades da região continuam, principalmente à noite e pela semana gelada na região. Porém, na maioria dos municípios, há um problema em comum: a vontade destas pessoas em saírem das ruas. “Temos à disposição a Casa de Passagem de Criciúma, através da parceria entre as prefeituras, ainda contamos com escolas da cidade, só que tem uma resistência grande. É cultural, eles querem ficar na rua. Tem esta desconfiança. Uma preocupação que vamos levá-los para um local onde podem se sentir ameaçados. Recebemos muitos não. Eles querem ficar onde estão”, revela o secretário de Assistência Social de Içara, Eduardo Michels Zatta.

Ele diz ainda que, assim como Criciúma, Içara é uma passagem dos moradores de rua. “O que temos, acredito que por estarmos por uma área próxima da BR-101 é de passagem. Abordamos média de seis pessoas por dia com uma abordagem social, fizemos o atendimento humanizado, levamos cobertores, meias, máscaras, álcool gel através do Grupo CAD, que é uma parceria entre a Assistência Social, a Polícia Militar, a Defesa Civil, a Guarda Municipal e as secretarias de Saúde e Educação. Fizemos um planejamento na última semana que possibilitou a aquisição de 200 cobertores, 400 pares de meias, a  realização de ronda e a entrega para as pessoas mais vulneráveis através dos CRAS”, finaliza Zatta.