Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
4

“Quando tiver 50% com segunda dose, teremos um momento mais tranquilo”, afirma Carmen Zanotto

Deputada concedeu entrevista à Rádio Som Maior nesta quarta-feira
Marciano Bortolin
Por Marciano Bortolin Criciúma, SC, 28/07/2021 - 18:49Atualizado em 28/07/2021 - 18:50
Foto: Heitor Araujo/4oito
Foto: Heitor Araujo/4oito

Experiente na área da saúde, inclusive com passagens como secretária de Estado, a deputada Federal Carmen Zanotto (Cidadania), acredita que é fundamental evoluir na aplicação da segunda dose da vacina contra a Covid-19 para que seja possível viver melhores momentos. “Não imaginávamos que tivéssemos uma situação assim no país. Depois do  Amazonas, em Santa Catarina. Os erros e acertos vamos ter muitos estudos de casos nas universidades, mas o que precisamos é garantir mais vacinas e quem recebeu a  primeira dose que vá receber a segunda. Precisamos chegar nos 50% da D2. Precisamos para ter maior proteção. Quando tiver 50% teremos um momento mais tranquilo, porém sem negligenciar”, comentou em entrevista à Rádio Som Maior.

A parlamentar cita, inclusive, exemplos de outros países. “Os Estados Unidos estão pedindo de novo o uso de máscara, então precisamos olhar sempre o que está acontecendo, principalmente devido às variantes. Não é momento de vacilar. Precisamos manter o uso das máscaras, o distanciamento. não é porque não tem mais fila em UTI que podemos relaxar. Acredito que até outubro estaremos com 50% com a segunda dose, mas vai depender da quantidade de vacinas que os municípios irão receber”, disse.

As eleições de 2022

Sobre as eleições do próximo ano, Carmen Zanotto destacou que ainda é precoce afirmar quem vai para a disputa, mas cita alguns nomes e possibilidades. “Temos candidaturas postas, como Jorginho Mello, o governador Carlos Moisés. O ex-governador Raimundo Colombo, o ex-deputado Merísio. O MDB está circulando o estado para ter candidato. O PT terá candidato. Quem será candidato a gente não sabe. Acho que a quantidade de majoritária depende do processo eleitoral, teremos a reforma política debatida no congresso”, pontuou Carmen, afirmando que será novamente candidata a deputada federal.