Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
CORONAVÍRUS - Saiba mais aqui

Presidente do TJSC afirma que pretende acelerar processos no 1º grau

Em visita a Criciúma, Rodrigo Colaço se reuniu com aproximadamente 30 juízes no Fórum da cidade
Erik Behenck
Por Erik Behenck Criciúma - SC, 26/02/2018 - 18:26Atualizado em 26/02/2018 - 18:33
Presidente do TJSC, Rodrigo Colaço (foto: Erik Behenck)
Presidente do TJSC, Rodrigo Colaço (foto: Erik Behenck)

Esteve em Criciúma na tarde desta segunda-feira (26) o presidente do Tribunal de Justiça de Santa Catarina (TJSC), Rodrigo Colaço. O magistrado se reuniu com aproximadamente 30 desembargadores da região, no Fórum da cidade. O objetivo do encontro era falar sobre o início do período de Colaço na presidência do TJSC.

“Viemos aqui com toda a direção do Tribunal, conversar com os juízes, saber quais são as principais indicações da região sul. Trazer também as providenciais iniciais da administração e convidar todos para continuarem duro. Hoje as condições são muito difíceis e que possam aumentar”, afirmou Colaço.

O presidente do TJSC pretende melhorar a estrutura dos gabinetes dos juízes e reforçar a ideia de colaboração mutua. Também deseja colocar o Poder Judiciário a disposição do governador em exercício Eduardo Moreira. Segundo Colaço, o problema da Justiça está no 1º grau, e é isso que deve ser melhorado, dando condições para que as ações sejam julgadas rapidamente.

“Com a decisão que o Supremo tomou, que as pessoas cumpram a pena depois da decisão do Tribunal de Justiça, favoreceu muito a Justiça e a sociedade brasileira. Antes as pessoas eram condenadas e não cumpriam nunca a pena, porque recorriam ao STJ, ao Supremo, aquele que foi condenado em 1º grau por um juiz e em 2º grau por três desembargadores, comece logo cumprir a pena, assim reduzimos a impunidade”, garantiu Colaço.

De acordo com a juíza Eliza Maria Strapazzon, titular da 1ª Vara da Fazenda Pública da comarca de Criciúma, a vinda do presidente do TJSC é importante para o sul do estado. Uma das requisições é o aumento do número de magistrados, atualmente são 11 titulares e um substituto.

“A vinda do presidente e de toda a diretoria foi importante para toda a região sul. Momento que a gente pode colocar todas as nossas angustias, as nossas aflições e também dar sugestões para a nova diretoria em relação a funcionários”, analisou a juíza.

Juíza Eliza Maria Strapazzon