Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

O mundo da fotografia e das recordações no Avesso 

Fotógrafo e videomaker, Anderson Machado, foi o convidado do programa Do Avesso desta terça-feira
Vitor Netto
Por Vitor Netto Criciúma - SC, 09/06/2020 - 16:12
Foto: Vitor Netto / 4oito
Foto: Vitor Netto / 4oito

Fotografias servem para guardar memórias e marcar períodos. É esse norte que trilhou o programa Do Avesso desta terça-feira, 9, em que recebeu o fotógrafo e vídeomaker, Anderson Machado. Com quase 25 anos de atuação no ramo, Anderson compartilhou histórias e episódios de suas andanças no mundo da fotografia. 

Anderson é natural de Sombrio e não atuava com fotografia, começou neste ramo por meio da curiosidade.  “Eu trabalhava de office boy e sempre passava na frente de uma loja de fotografia e fiquei amigo do pessoal. Comecei a trabalhar nesta loja em setembro de 1995 e dezembro já era laboratorista”, conta. Ele relembra do tempo em que trabalhavam com filmes e muitos deles queimavam, perdendo as fotografias. “Eu lembro que nas câmera dos clientes, a gente colocava um filme novo e no botão de abrir a gente colocava uma fita isolante preta para o cliente curioso não abrir”, comenta. 

Foto: Pity Búrigo / Som Maior

Desde então, já trabalhou em várias vertentes da fotografia como eventos sociais, moda, fotojornalismo, fotografia de esportes e nos últimos seis anos vem se especializando em fotografia publicitária com foco em gastronomia.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Despertar o desejo de consumo é um dos principais objetivos de uma fotografia publicitária. . @lamiacucaria . #gulafilms #novaveneza

Uma publicação compartilhada por Gula Films (@gulafilms) em

“A fotografia de festas sociais é uma área que eu exerci por muito tempo, me considero um fotógrafo de evento e ele merece os parabéns, porque tu está em uma festa de cara, sem nenhuma birita na cabeça e vendo todo mundo se divertindo e ficar batendo foto de todo mundo sem esquecer de ninguém”, enfatiza. “É um momento que o profissional tem que ser muito profissional entendendo que a festa não é minha e eu preciso registrar com o olhar do festeiro. Não é só o olhar fotográfico, é o olhar de intimidade de como os noivos vão gostar daquilo”, completa.