Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Museu ao Ar Livre pode se tornar patrimônio cultural brasileiro

Foram mais de três décadas de espera para que espaço em Orleans recebesse reconhecimento nacional
Por Redação Orleans, SC, 11/06/2019 - 14:21Atualizado em 11/06/2019 - 15:05
Divulgação
Divulgação

Depois de mais três década de espera, o Museu ao Ar Livre Princesa Isabel, localizado em Orleans poderá se tornar um patrimônio cultural brasileiro. Nesta quarta-feira, dia 12, o Conselho Nacional do Patrimônio Cultura do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – Iphan julga uma proposta catarinense de tombamento da instituição. O processo foi iniciado em 1987.

O professor Elcio Willemann, presidente Fundação Educacional Barriga Verde - Febave e reitor do Centro Universitário Barriga Verde – Unibave, e a diretoria do Museu ao Ar Livre, Valdirene Böger Dorigon, acompanham o julgamento em Brasília. A Febave é a  mantenedora do espaço cultural.

A diretora frisa que o museu guarda um acervo riquíssimo e,  esse reconhecimento,  trará mais visibilidade. “Ano passado recebemos mais de 13 mil visitantes. Isso mostra a importância  do museu, e sabemos que esse número pode ser ainda maior. Além disso, ao ganhar mais visibilidade no território nacional, valoriza a história da imigração, a catarinense e a contribuição delas para o país", ressalta Valdirene.

A presidente do Iphan, Kátia Bogéa, declarou que a aprovação do Conselho reforçará a campanha Patrimônio Cultural do Sul: Turismo Cultural como ativo para o desenvolvimento das cidades históricas - lançada pela instituição no início deste ano – e reconhece a participação dos imigrantes na construção da nação brasileira.

O Museu ao Ar Livre Princesa Isabel é uma instituição de caráter tecnológico, histórico e documental que preserva, pesquisa e divulga a cultura material de diversas etnias, destacando um acervo proveniente da imigração em Orleans e região sul de Santa Catarina. A expressão “ao Ar Livre” corresponde à forma de apresentação do acervo num ambiente natural e ecológico, destacando o modo de vida dos colonizadores no início do século XX.

Saiba mais sobre o museu

Inaugurado em 30 de agosto de 1980, o Museu teve como principal idealizador o Pe. João Leonir Dall’Alba. É o primeiro do gênero na América Latina, instalado numa área de vinte mil metros quadrados de terra. As construções, de características tradicionais, abrangendo: capela, engenho de farinha de mandioca, estrebaria, galpão de serviços domésticos, cozinha de chão batido, casa do colono, cantina, meios de transporte, engenho de cana-de-açúcar, serraria pica-pau, oficinas artesanais, marcenaria, atafona, balsa, ferraria, monjolo e Centro de Vivências.

Além destas unidades citadas, também encontramos instalado nas dependências do Museu, a Casa de Pedra, que abriga o Centro de Documentação Histórica Plínio Benício (CEDOHI), salas de exposições e Laboratório de Conservação e Restauração (LACOR).