Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Medalhistas olímpicos lembram do caminho até o topo do esporte

Do Avesso recebeu Edson Luciano e Claudinei Quirino, que levaram a prata no revezamento 4x100 em Sidney
Erik Behenck
Por Erik Behenck Criciúma - SC, 13/09/2018 - 15:13Atualizado em 13/09/2018 - 15:13
Claudinei Quirino e Edson Luciano (foto: Luana Mazzuchello)
Claudinei Quirino e Edson Luciano (foto: Luana Mazzuchello)

Faltam três dias para a 3ª edição da Meia Maratona Caixa Criciúma. O padrinho da competição é Claudinei Quirino, que nesta quinta-feira (13) participou do Programa do Avesso, da Rádio Som Maior, junto com o organizador da prova, Edson Luciano. Ambos são medalhistas olímpicos e juntos conquistaram a prata em Sidney, no revezamento 4x100. Existe uma clara diferença no treinamento para profissionais e amadores, conforme explicaram.

“O nosso treinamento era de alto rendimento, treinava três horas de manhã, ia embora para dormir, porque o descanso fazia parte e voltava a tarde para mais três ou quatro horas”, afirmou Quirino. “Existe o esporte para manter a saúde e o esporte de alto rendimento, de excelência, nós ganhávamos a vida para colocar o nosso corpo no limite máximo que ele pudesse chegar. Ganhar dinheiro com o seu corpo no esporte dói”, completou Edson.

Claudinei Quirino (foto: Mano Dal Ponte)


Hoje eles são comentaristas de atletismo na televisão, com experiência na cobertura de olímpiadas e outros eventos de relevância no cenário global. Embora seja difícil encontrar patrocínios no começo da carreira, Claudinei Quirino revelou que ganhou uma boa quantia de dinheiro enquanto competia, muito devido ao seu sucesso nas pistas, que além da medalha olímpica inclui premiações em mundiais.

“Eu ganhei dinheiro. Claro que o nosso esporte não é comparado ao futebol, que o cara fica rico da noite para o dia. Deu para fazer a minha vida, a gente não pode mentir, o esporte e até mesmo nos dias atuais hoje, o atletismo dá muito dinheiro, na nossa época não tanto, mas ganhamos dinheiro. Somos os melhores do Brasil, da América do Sul, vice-campeão olímpico. Deu para viver, deu para fazer um pezinho de meia”, contou.

Confira o Programa do Avesso na íntegra:

Mano e Pity recebem medalhistas olímpicos no Programa do Avesso (foto: Luana Mazzuchello)