Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Içara calcula prejuízos sem os médicos cubanos

Equipe da saúde esteve reunida com os profissionais nesta tarde para auxiliar com os trâmites da partida
Por Redação Içara, SC, 16/11/2018 - 21:12Atualizado em 16/11/2018 - 21:36
Fotos: Guilherme Hahn / A Tribuna
Fotos: Guilherme Hahn / A Tribuna

O anúncio nesta semana deixou os profissionais, o prefeito Murialdo Canto Gastaldon e a secretária de Saúde Jaqueline dos Santos surpresos. “Esperamos que o presidente mude seu pensamento, pois já voltou atrás, acertadamente, em outras ocasiões. Esperamos que volte atrás nesse caso também e trate os médicos cubanos de forma apropriada. As cláusulas que permitiram a presença dos médicos estrangeiros foram feitas pela presidente Dilma e, depois de um tempo foram ratificadas pelo presidente Temer, sem qualquer alteração. O presidente eleito, que tem legitimidade para isso, deve fazer discussões de forma apropriada, recorrendo às respectivas embaixadas de origem dos países dos médicos que se encontram no Brasil”, ressaltou o chefe do executivo na coletiva de imprensa realizada na tarde desta sexta-feira.  

Atualmente o município, que tem quase 60 mil habitantes, conta com 21 médicos na atenção básica, e mais 34 médicos especialistas. “Temos 55 médicos que atuam na saúde pública. A OMS diz que são três médicos para cada 1.000 habitantes. Seriam necessários 180 médicos. Ao invés de recebermos uma boa notícia, de uma possível ampliação do programa, fomos notificados pela internet que estamos perdendo nove médicos”, lamenta Gastaldon.

Uma reunião foi realizada esta tarde na Secretaria de Saúde, com todos os médicos, para ouvi-los e orientá-los sobre os encaminhamentos. "É um dos programas que mais deu certo, funcionando 100% e atendendo populações nas periferias, na região amazônica, no interior. Vocês prestaram um trabalho fantástico para  o Brasil", destacou a presidente da FAI Ceneli de Freitas Gastaldon, que também participou da reunião e agradeceu o trabalho prestado pelos cubanos.  

“Estamos tristes e preocupados. Nossa profissão é como um sacerdócio, levamos a sério, construímos vínculos. Quando conversamos com as pessoas muitos já chegam chorando, pois estão tristes com a nossa partida. Desempenhamos nossa função com amor”, disse a médica Ester Karina Abeledo Mena, que atua na ESF do bairro Jussara.

Há muitos mitos relacionados às questões familiares e ao repasse que é feito a Cuba. “É importante salientar que todos que estão atuando concordaram com os contratos, inclusive, a grande maioria recebe visitas de amigos e familiares cubanos. É mentiroso afirmarem que trabalham em regime de escravidão”, pontuou Jaqueline.  

Jaqueline dos Santos, secretária de Saúde de Içara

Prejuízos

Segundo a secretária, um novo edital deverá ser lançado pelo Governo Federal, conforme noticiado nesta sexta-feira pelo Ministério da Saúde. “Esperamos que outros médicos brasileiros possam ocupar as vagas e que também não tenhamos nenhuma perda para os moradores de Içara”, destaca.

As demandas aumentarão e em breve novos comunicados de orientação serão emitidos pela Secretaria de Saúde.  "Vamos ter que remanejar os usuários para outros locais. Esperamos que até lá o governo federal já tenha tomado providência", frisa. 

O supervisor acadêmico dos médicos também participou do encontro, que objetivou propiciar alento nesse momento de dificuldades. Os casos dos médicos que desejarem permanecer em Içara já estão sendo discutidos com a equipe jurídica do Governo. “Os cubanos que desejarem ficar em Içara, terão todo o nosso apoio”, enfatizou o prefeito.

Atuação

Todos os médicos que atuam em Içara, desde 2013, desenvolvem ações na Atenção Básica. “Eles são habilitados para realizar consultas, fazer diagnósticos, prescrever tratamentos e medicamentos, solicitar exames e emitir atestados conforme as orientações e normativas do SUS. Não podendo atuar em outros serviços de saúde que não façam parte do Mais Médicos, conforme prevê o Programa”, explica a coordenadora de Atenção Básica Iane Savi.  

Somente nos primeiros seis meses de 2018 os médicos cubanos que atuam em Içara realizaram 19.274 procedimentos entre consultas, pré-natal, receitas e trocas de receitas e atendimentos domiciliares. Eles também são responsáveis, até o momento, por 23.450 habitantes.

Confira mais detalhes neste fim de semana em A Tribuna.