Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Fique de olho no comportamento dos cães e gatos, eles podem estar com raiva

Uma mulher foi vítima da doença em Santa Catarina, primeiro caso desde 1981
Por Erik Behenck Criciúma - SC, 07/05/2019 - 08:16Atualizado em 07/05/2019 - 08:22
(fotos: Erik Behenck)
(fotos: Erik Behenck)

Uma mulher de 58 anos morreu vítima de raiva em Gravatal. A confirmação veio nesta segunda-feira (6), após exames realizados pelo Laboratório Instituto Pasteur (IP). Desde 1981 não eram registrados casos de raiva em humanos no estado catarinense. Em animais o último caso havia sido em 2016, em um cão de Jaborá.

“A gente tem que fazer uma varredura num raio de 5 km de onde foi o óbito, vacinando todos os cães e gatos. Vamos começar isso no dia 9 e já estamos avisando que iremos vacinar todos que encontrarmos. Quem achar animais mortos nessa região de Gravatal deve informar os órgãos de saúde”, disse o gerente regional de Saúde, Fernando de Faveri, em entrevista ao Programa Adelor Lessa.

Ele orienta que é preciso ficar de olho no comportamento dos animais, que se tornam mais agressivos. A doença pode ser transmitida por mordidas ou arranhões, principalmente de cães e gatos. Em Urussanga três bovinos apresentaram a doença e serão sacrificados, sendo que neste caso a contaminação acontece por mordidas de morcegos.

Para o gerente, a vacinação dos animais e de pessoas é fundamental, não só contra a raiva. “As fake news vem atrapalhando muito e tem a nova geração de pais, como eles não conviveram com os hospitais lotados, como coqueluche e paralisia, acham que isso não aconteceu. Com campanhas maciças de vacinação o Brasil se tornou referência mundial para acabar com essas doenças”, disse.

Febre amarela

Em relação a febre amarela, ainda não saíram os resultados dos exames feitos em macacos mortos na região. “Foram recolhidos no estado 129 macacos mortos. Os estudos estão sendo feitos na Fiocruz em Curitiba e são muito demorados. Nós já tomamos as medidas e fizemos a vacinação em todos que estavam num raio de 300 metros do local”, afirmou.