Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Figueirense teve atleta irregular na Série B, afirma advogado especialista em direito esportivo

Raphael Soares teve seu nome em súmulas de três equipes diferentes na temporada
Erik Behenck
Por Erik Behenck Criciúma - SC, 28/11/2019 - 13:50Atualizado em 28/11/2019 - 15:58
Foto: Rodrigo Polidoro / Mix Mídia
Foto: Rodrigo Polidoro / Mix Mídia

Dentro de campo o Figueirense conseguiu a pontuação necessária para permanecer na Série B. Ainda assim, alguns empecilhos podem fazer com que a equipe perca pontos e possa até ser rebaixada. O time da capital teria utilizado um atleta de forma irregular, Raphael Soares, que em 2019 passou Santa Cruz e Caxias, antes de desembarcar em Santa Catarina.

“O Figueirense utilizou de um atleta, o Raphael Soares, de maneira irregular, ele já havia disputado a Copa do Brasil pelo Santa Cruz, a Série D do Campeonato Brasileiro pelo Caxias e a Série B pelo Figueirense. Portanto, o regulamento geral é bem claro em seu artigo 46, que o atleta pode até se registrar por três clubes, mas pode jogar em apenas dois”, afirmou o advogado Antonio Sergio Fernandes.

O que importa é ter o nome na súmula, mesmo que não tenha entrado em campo. Mas, existe um porém.  “A Copa do Nordeste é uma exceção, mas isso não está sendo levado em consideração. O próprio campeonato ele jogou, mas o regulamento geral da CBF faz exceções para as copas regionais”, destacou Fernandes.

Além do problema com o registro do atleta, o Figueirense poderá perder pontos devido ao WO contra o Cuiabá.

Os jogos por Santa Cruz, Caxias e Figueirense

Raphael Soares jogou pelo Caxias no dia 14 de julho, contra o Manaus, na partida de ida das quartas de final. Pelo Figueirense entrou em campo na 20ª rodada da Série B, contra o Guarani, em uma derrota em casa por 1 a 0, no dia 31 de agosto. 

Antes já havia defendido o Santa Cruz, na disputa da Copa do Nordeste e do Campeonato Pernambucano, ficando no banco em partida da Copa do Brasil contra o Náutico, pela segunda fase, no dia 20 de fevereiro.

Figueirense já usou a questão a seu favor

Em 2015 o Figueirense foi campeão catarinense no "tapetão". A equipe acionou a justiça e fez com que o Joinville perdesse 4 pontos. Naquela ocasião o JEC escalou um atleta sem contrato profissional, para o banco de reservas, já com 20 anos, algo proibido. “O Figueirense já conseguiu um caso deste em 2015 com o Joinville. Pode sofrer do próprio veneno agora com o Criciúma, com o São Bento ou com o Londrina”, citou Fernandes.

Confira a entrevista na íntegra: