Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
CORONAVÍRUS - Saiba mais aqui

Exposição inaugural da galeria Octávia Gaidzinski permanece até novembro

Espaço ocupa desde a última sexta-feira o segundo andar do Teatro Elias Angeloni
Heitor Araujo
Por Heitor Araujo Criciúma - SC, 30/09/2019 - 19:33Atualizado em 30/09/2019 - 19:34
Fotos: Taís Borges / FCC
Fotos: Taís Borges / FCC

A galeria de arte Octávia Burigo Gaidzinski foi reinagurada na última sexta-feira em Criciúma. Marcou a reabertura do espaço, uma sala no segundo andar do Teatro Elias Angeloni, a exposição "Nem todas as coisas podem ser ditas", montada pela Associação Sul Catarinense de Artes Visuais (Ascav), reunindo obras de 18 artistas. 

A reinauguração da galeria foi concomitante ao lançamento do programa Avança Criciúma, realizado no Teatro Elias Angeloni. Público e autoridades municipais conferiram as obras, de diferentes técnicas e significados; desde uma aquarela representando um policial militar de Santa Catarina, do artista Nícola Loss Medeiros, até uma placa de intervenção artísitica de Dani Zacarão, uma reflexão à construção urbana sobre o Rio Criciúma.

Dani Zacarão é a presidente da Ascav e falou sobre a importância da reabertura do espaço artístico na cidade. "A galeria já recebeu obras de importantes artistas brasileiros, e durante seus quase 40 anos de atuação, deixou um legado como espaço de fruição da arte e formação de público - atendendo todo sul catarinense. Por toda essa história, não poderia continuar fechada.", explicou a artista.

A exposição de abertura, "Nem todas as coisas podem ser ditas", permanece até o dia 12 de novembro.  A ideia central é que o público precisa sentir a visão poética do artista, expressa em desenhos, pinturas, esculturas, instalações, colagens, intervenções, entre outros. Ou seja: nem todas as coisas podem ser ditas.

A solicitação de reabertura da Octávia Búrigo Gaidzinski foi encaminhada à prefeitura pelo Fórum Setorial de Artes Visuais, realizado em maio de 2019. O fórum também pediu a contratação de profissionais da área de artes visuais para planejar exposições e fazer atendimento ao público. 

"Hoje a Fundação Cultural de Criciúma mantém vários espaços expositivos, em parceria com outras instituições. É uma necessidade urgente que se tenha uma equipe qualificada para fazer a gestão dos espaços culturais, que, poderiam ser muito melhor utilizados se fossem conduzidas por profissionais técnicos da área da cultura", justifica Dani Zacarão.

Estão em exposição obras dos seguintes artistas: Alenir Dalpiaz, Alice Meis, Angelica Neumaier, Breno Stern, Cleusa Olavio, Daniele Zacarão, Eloi Ramirez, Helen Rampinelli, Iêda Topanotti, Iolanda Peres, Janor Vasconcelos, Juliana Natal, Maria Cristina, Marina Réus, Nícola Loss Medeiros, Odete Calderan, Silemar Silva e Simone Milak.