Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Do Avesso em comemoração ao Dia do Sorvete

Dia 23 de setembro comemora-se o Dia do Sorvete, em comemoração ao início das estações mais quentes
Vitor Netto
Por Vitor Netto Criciúma - SC, 23/09/2020 - 17:17
Felipe Mantenti (à esquerda) e Glaucio Fernandes / Foto: Pity Búrigo / 4oito
Felipe Mantenti (à esquerda) e Glaucio Fernandes / Foto: Pity Búrigo / 4oito

No dia 22 de setembro, inicia a estação da primavera. Com essa estação, as temperaturas começam a esquentar e é exatamente por esse motivo que no dia 23 de setembro comemora-se o Dia Nacional do Sorvete. E esse foi o assunto do programa Do Avesso desta quarta-feira, 23, que recebeu gelataios da região. 

Pity e Vitor Búrigo receberam no estúdio da Som Maior o gelataio da Gheppo Sorveteria, Glaucio Fernandes, e o engenheiro de alimentos e proprietário da Fioppo Sorvetes, Felipe Manentti. 

Fotos: Vitor Netto / 4oito

Há relatos que o sorvete nasceu há mais de 3 mil anos e tem sua origem no Oriente. Relatos também apontam que a primeira sorveteria brasileira nasceu em 1835, quando um navio americano aportou no Rio de Janeiro com 270 toneladas de gelo, dois comerciantes compraram o carregamento e passaram a vender sorvetes de frutas. 

Um ramo que vem ganhando o gosto da população é a sorveteria artesanal. A especialidade são sorvetes com o sabor mais aguçado, feitos de uma forma mais humanizada.

Glaucio trabalha no ramo desde a criação da Gheppo Sorveteria em Nova Veneza, há sete anos. Iniciou por impulso e gostou do ramo. Para ele, o sorvete mexe com a emoção das pessoas.“Para mim eu sinto satisfeito quando a gente traz ou consegue fazer um sabor que os clientes consigam relembrar um momento, a infância ou uma situação”, comentou. 

Glaucio Fernandes, gelataio da Gheppo Sorveteria (Foto: Vitor Netto / 4oito)

Felipe tem há três anos a Fioppo, em Criciúma. Ele é formado em Engenharia de Alimentos e alia seu conhecimento da graduação e aposta, além dos tradicionais, em sabores mais exóticos, como a produção do sorvete de bacon. “Dá de fazer o que a criatividade da pessoa. Hoje eu tenho um de vinho tinto e amora, alcoólico e a base de água muito bom. Tem sorveteria que faz de pinhão no inverno, ou então ontem como era o início da primavera, tem sorveteria que fez de baunilha e de flores comestíveis. O que dá o limite é a criatividade”, comentou.      

Felipe Manenti, proprietário da Fioppo Sorvetes (Foto: Vitor Netto / 4oito)

Ouça a entrevista completa:

Tags: sorvetes