Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Criciúma realiza Campanha de Prevenção e Rastreamento às Hepatites Virais

Testes rápidos serão realizados entre os dias 23 e 28, contando com o apoio de entidades da cidade
Por Redação Criciúma - SC, 12/07/2018 - 16:06Atualizado em 12/07/2018 - 16:16
(foto: reprodução)
(foto: reprodução)

A Secretaria de Saúde de Criciúma em parceria com a Atenção Básica e Especializadas de Criciúma, Vigilância em Saúde, Rotary Club, Unesc e Hospital São José realizam de 23 a 28 de julho a Campanha de Prevenção e Rastreamento às Hepatites Virais. 

Serão realizados testes rápidos em diferentes locais: no Hospital São José, dia 27, das 9h às 11h30 e das 13h30 às 16h , dia 28 o Rotary club estará na Praça Nereu Ramos, das 9 às 12 horas. E as Unidades de Saúde estarão realizando os testes durante toda a semana, das 8 às 12h e das 13 às 17h.Os exames serão oferecidos gratuitamente à população e realizados por ordem de chegada.

As hepatites virais compõem o grupo de doenças infecciosas e transmissíveis, com uma importante relevância epidemiológica, no município e região, a incidência atual mostra taxas preocupantes, sendo o município com maior número de pacientes na região do extremo sul catarinense. Criciúma está em 3º lugar em número de casos novos em SC, atrás de Joinville e Florianópolis, respectivamente.

A Hepatite C tem cura e os tratamentos disponíveis são eficazes e rápidos. O exame é simples – apenas uma gotinha de sangue. Também serão feitos exames para detectar a Hepatite B ,HIV e Sífilis nas Unidades de Saúde.

A Hepatite C é uma doença silenciosa e, se não tratada, pode levar à cirrose hepática, câncer de fígado e à necessidade de transplante.  Atualmente, a Hepatite C é a principal causa de óbito entre as hepatites virais – segundo o Boletim Epidemiológico 2017, emitido pelo Departamento de Aids, Hepatites Virais e Infecções Sexualmente Transmissíveis, do Ministério da Saúde.

Segundo recomendações do Ministério da Saúde, devem fazer o teste: 

Pessoas que compartilhem agulhas injetáveis e objetos cortantes; Ou tenham feito tatuagens ou  colocado piercings sem material descartável; 
Ou ainda que tenham feito sexo desprotegido com múltiplos parceiros; e portadores do vírus HIV.