Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

"Criança não vai sozinha vacinar. É dever dos pais levar" 

A preocupação Kelly Barp Zanette, do setor de Imunização de Criciúma onde ainda faltam imunizar mais de 7 mil crianças
Gregório Silveira
Por Gregório Silveira Criciúma, SC, 19/10/2020 - 16:51Atualizado em 19/10/2020 - 16:54
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

"Eu trabalho há 16 anos na área da saúde e 2020 vem sendo o pior ano nas imunizações". A preocupação é de Kelly Barp Zanette, do setor de Imunização da prefeitura de Criciúma. Segundo Kelly aproximadamente 32% da meta de vacinação contra a poliomielite em Criciúma foi atinga, ou seja, mais de 7 mil crianças ainda precisam ser vacinadas.
"Está na constituição que a criança tem esse direito e os pais têm esse dever. A Criança não vai sozinha vacinar. É dever dos pais levar. Não podemos brincar com a paralisia infantil. A doença é muito séria. Hoje todos tem celular e é só pesquisar os efeitos da poliomielite", alerta Kelly.

O último sábado, 17, foi dia de vacinação contra a poliomielite. Em Criciúma foram imunizadas cerca de 1.350 crianças. "No sábado foi bom, porém o que preocupa é o número total muito baixo. Não há motivo para ter receio de vacinar. Todas as nossas salas de vacinação são seguras e os médicos não atendem pacientes com suspeita de coronavírus nelas."

Devido a baixa procura não estão descartadas novas medidas para mudar o quadro. "Estamos estudando novas ações que ainda iremos debater com a secretaria de Saúde. Mas os pais precisam tem consciência da importância da vacinação. Isso é muito sério."

A cidade tem 44 salas de vacinação que ficam abertas de segunda a sexta-feira das 8hs às 17hs. Já a unidade central não fecha ao meio dia.  

A campanha contra a Poliomielite começou no dia  05 desse mês e segue até 30 de outubro, em todo o país. O público alvo são  crianças de até 5 anos de idade. 

"Essas duas gotinhas vão salvar a  vida das crianças", desabafa Kelly.


Poliomielite no Brasil e em Santa Catarina
O Brasil não detecta casos de poliomielite (paralisia infantil) desde 1990 e em 1994 recebeu da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) a Certificação de área livre de circulação do poliovírus selvagem do seu território. Em Santa Catarina, os últimos registros da doença foram em 1989. No entanto, os esforços ainda precisam ser mantidos, com a imunização de todas as crianças, para reduzir o risco de reintrodução do poliovírus selvagem no país. 


Poliomielite
A poliomielite ou paralisia infantil é uma doença infectocontagiosa viral aguda, caracterizada por um quadro de paralisia flácida, de início súbito. O déficit motor instala-se subitamente e a evolução dessa manifestação, frequentemente, não ultrapassa três dias. Acomete em geral os membros inferiores, de forma assimétrica, tendo como principal característica a flacidez muscular, com sensibilidade conservada e arreflexia no segmento atingido.