Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Covid-19: Secretário reconhece que a segunda onda vem aí

Em entrevista à Som Maior, André Motta Ribeiro refere a preocupação com nova onda de casos: "que vai vir, com certeza"
Denis Luciano
Por Denis Luciano Criciúma, SC, 15/10/2020 - 08:25
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Preocupações à vista no combate ao coronavírus em Santa Catarina. Em entrevista ao Programa Adelor Lessa desta quinta-feira, 15, na Rádio Som Maior, o secretário de Estado da Saúde, André Motta Ribeiro, reconheceu que uma segunda onda de Covid-19 está se aproximando. "Com certeza, vem", disse. "O tamanho que ela vai ter, depende do que estamos fazendo agora. Que vai vir, com certeza", reafirmou.

O secretário lembrou que os riscos vêm se avolumando a cada fim de semana em que as praias lotam. "Cada vez que chega o fim de semana, isso nos causa uma preocupação. Parece que as pessoas ainda não entenderam a gravidade do momento que estamos vivendo", ponderou. "O Estado e os gestores municipais estão tomando providências com a Vigilância e as polícias", destacou. "Estamos lançando uma campanha grande, maciça de conscientização das pessoas para que entendam a gravidade da pandemia, que vai sim impactar o nosso estado", emendou.

Motta Ribeiro observou que essa segunda onda poderá impactar no veraneio e nas festas de fim de ano. "Eu tenho essa impressão. Já se percebe em algumas cidades grandes, como São José, Florianópolis, um aumento grande de casos", frisou. "Esse impacto vem, mas o vírus ainda é desconhecido de certa forma. Ontem Portugal decretou lockdown, depois da França, Espanha e Inglaterra", registrou. "As festas de fim de ano não serão como as do ano passado, com certeza", comentou.

O entrosamento entre os municípios e o Estado segue fortalecido no estabelecimento de políticas de combate ao vírus, referiu o secretário. "Nós temos contato direto, pelo COES, constituído desde 12 de março, dentro do COES temos o conselho dos secretários de Saúde, temos a Fecam, o MP, e essas discussões são diárias com reuniões semanais", salientou. "Vivemos num momento político absurdo, daí a dificuldade da gestão para um movimento legítimo, mas estamos monitorando diariamente", finalizou.

Ouça a entrevista do secretário no podcast:

Tags: coronavírus