Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Clássico com ou sem a Os Tigres?

Reunião neste sábado definirá se torcida se vai ou não para a arquibancada no jogo contra o Avaí
Por Lucas Renan Domingos Criciúma, SC, 23/03/2019 - 08:53
Foto: Guilherme Hahn/Especial
Foto: Guilherme Hahn/Especial

A torcida deve lembrar bem o desfecho do último jogo do Criciúma no Estádio Heriberto Hülse. Dentro de campo a equipe perdia para a Chapecoense pelo Campeonato Catarinense, quando parte dos carvoeiros, empurrados pela barra Os Tigres, começaram um protesto. O grupo se dirigiu até o camarote onde costuma ficar o presidente Jaime Dal Farra e passou a manifestar a insatisfação contra a atual gestão. Imediatamente, uma ordem foi enviada ao operador do sistema de som do Majestoso: tocar o hino – o que não pode ser feito com a bola rolando.

A tentativa de abafar o protesto irritou os torcedores. Foi a gota d’água para desencadear mais críticas direcionadas ao mandatário do Tricolor Carvoeiro nas horas seguintes. Dois dias depois do episódio, a Os Tigre lançou um comunicado. Tentando expressar seu descontentamento, a organizada determinou que não estaria presente nos dois próximos jogos do Criciúma em casa – neste domingo, contra o Avaí, e no dia 3 de maio, diante o Joinville.

Só que a cobrança dos torcedores, aliada aos outdoors pedindo uma resposta, fez a diretoria do Criciúma se movimentar. João Carlos Maringá, diretor executivo de futebol foi contratado, com ele vieram o técnico Gilson Kleina e os reforços começaram a chegar. E essas movimentações podem fazer a Os Tigre mudar a ideia de não ir aos jogos.

Reunião marcada

Vendo que as manifestações surtiram efeito, a organizada procurou o Criciúma. Pediu uma reunião para conversar sobre o assunto e a solicitação foi aceita. Neste sábado pela manhã, representantes da torcida e do Criciúma estarão reunidos. A Os Tigres vai manter a postura de cobrança e se for ouvida pretende voltar a entoar seus cantos na partida de domingo.

“Reconhecemos que a diretoria tentou melhorar a equipe. Mas ainda queremos pedir respeito. O caso do hino ficou mal explicado. Vamos pedir mais detalhes, saber quem mandou tocar. E, claro, deixar claro que ainda não estamos satisfeitos. Um clube do tamanho do Criciúma tem que se classificar e ainda não estamos em quarto na competição”, destacou um dos diretores da Os Tigres, Luiz Gustavo Nuernberg.

De acordo com ele, a intenção de não ir para o estádio não é prejudicar a equipe. “Nunca foi esse nosso intuito. Também não estamos felizes de não estar na arquibancada. Sabemos que a torcida do Avaí vai vir e fazer a festa e sempre estivemos ali para apoiar. Vamos ver qual será o resultado da reunião. Se for positivo, tomaremos uma nova posição”, completou.