Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Capítulo 23 - Raimundo Colombo

Os homens que governaram Santa Catarina
Por Archimedes Naspolini Filho Criciúma - SC, 27/12/2018 - 15:12Atualizado em 27/12/2018 - 15:14

RAIMUNDO COLOMBO
41º E 42º Governador de Santa Catarina – 2010/18

No interior da Coxilha Rica, uma das regiões do município de Lages, no Planalto Serrano, uma fazenda hospeda o último governador de Santa Catarina. Raimundo Colombo, que ali refaz energias depois da derrota sofrida no último pleito eleitoral quando disputou uma das duas cadeiras de senador da República e amargou uma quarta colocação. 

Foi do PDS, passou pelo PFL, pelo Democratas e, agora, milita nas hostes do PSD - do qual é Vice-Presidente nacional - que o fez Governador duas vezes.

Trajetória política

Deputado Estadual – 1987/88
Prefeito Municipal de Lages – 1989/92 – 2001/04 – 2005/08
Deputado Federal – 1999/2000
Presidente do Diretório Regional do PFL – 1993/95 e 2003/07
Secretário de Estado de diversas Pastas, Diretor da Telesc, Presidente da Celesc, Presidente da Casan, ocupados em vários períodos.
Senador da República – 2006/2010
Governador do Estado – 2010/13 e 2014/18. Em ambos os pleitos vencedor no primeiro turno, tendo como companheiro de chapa Eduardo Pinho Moreira-MDB. Renunciou ao segundo mandato a 5 de abril de 2018.

Dos seus governos despontam como obras de alta relevância ao Estado barriga-verde: viagens à Europa, ao Japão e à Coréia do Sul, na busca de novos mercados aos produtos agropecuários produzidos em Santa Catarina com destaque para o frango e o suíno. As barreiras e óbices aos respectivos negócios foram afastados e esses produtos passaram a ser o diferencial nas exportações catarinenses.

Em Criciúma construiu um novo acesso da cidade à BR-101, o principal deles, a Via Rápida, certamente a maior obra de infraestrutura do seu governo do Sul do estado.
São dele também as obras de duplicação do trecho da SC-401, entre Jurerê e Canasvieiras, a terceira pista da SC-405 que demanda de Florianópolis a Pântano do Sul. A pavimentação de rodovias de Anitápolis, Mirim Doce, Campos Novos a Abdon Batista. Ipuaçu-Entre Rios, Garuva e Porto de Itapoá.

No seu governo – 2011 – celebrou contrato de empréstimo com o BNDS, de quarenta milhões de reais para investir em obras viárias em Joinville, com contra partida do Estado na ordem de vinte milhões de reais.

Em abril de 2012, o governo Raimundo Colombo lançou os programas Ordem de Serviço e SOS Rodovias. O primeiro para pavimentação em trechos ainda não pavimentados de rodovias catarinenses e o segundo para recuper trechos críticos em rodovias consideradas de grande relevância pela população. O investimento nos programas é de R$ 393 milhões de um total de R$678 milhões financiados pelo BID-VI com contrapartida de 30% do Estado de Santa Catarina. 

Ao renunciar o governo, para se candidatar ao senado, deixou as seguintes obras em andamento (todas com recursos do BID-IV): término da Via Rápida, em Criciúma; acesso Garuva-BR-101;  Rodovias ligando Romelândia a Anchieta; Ouro a Jaborá, São Lourenço do Oeste a São Domingos, Jaborá-BR-153, Rio do Campo a Passo Manso, Passo de Torres  BR-101.

O governo de Raimundo Colombo investiu significativamente na área de segurança baixando o índice de criminalidade em geral, em todo o território catarinense. 

Altos investimentos, também, foram aplicados no setor da Educação: só em 2011 foram 712 milhões de reais em construção, reforma e ampliação de escolas e alimentação escolar. Nesse mesmo ano foi apresentada a proposta de Ensino Médio Integral que começou a ser implantado em 2012. No índice de desenvolvimento da educação básica no Brasil, Santa Catarina subiu de  5,7 para 6,4 nos anos iniciais e, de 4,7 para 6,0, nos anos finais. 

Em 2013 foi instituído o Pacto pela Educação, programa que objetiva colocar a educação no mesmo nível obtidos por países desenvolvidos, com atuação em três eixos: Pedagógico, Estrutural e de Gestão.

Na área da Saúde Raimundo Colombo executou um programa de mutirão de cirurgias eletivas realizando, num ano, 22.600 cirurgias: catarata, amigdalas, adenoide, vesícula, hérnia, varizes, joelhos, membros superiores e inferiores. Hospitais, em todas as regiões, receberam atenção especial nas áreas de ampliação, reforma e equipamentos.

Em 2012 Colombo lançou o programa de investimentos chamado Pacto por Santa Catarina que previa um aporte inicial de 5 bilhões de reais para financiamento de projetos pelo próprio governo e dos bancos de desenvolvimento BNDS, CAF e BID. Os primeiros investimentos foram voltados para a contenção das cheias no Vale do Itajaí, combate à seca no Oeste e recuperação de rodovias.

Colombo nasceu em Lages a 28 de fevereiro de 1955. Advogado, fez cursos de aperfeiçoamento na Alemanha, nos Estados Unidos e na Espanha. Colocou suas experiências e sua visão sobre a sociedade no livro ‘Povo tem nome, rosto e endereço’, 2009, lançado em Florianópolis pela Edições Dédalo.

Bibliografia: Corrêa, Carlos Humberto, Os Governantes de Santa Catarina de 1739 a 1982, Editora da UFSC, 1983; Arquivo Público de Santa Catarina; Wikipédia, Internet; Governo do Estado de Santa Catarina, Diário Catarinense. 
Contato com o autor: naspolini@engeplus.com.br