Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Capítulo 2 - Lauro Severiano Müller

Os homens que governaram Santa Catarina
por Archimedes Naspolini Filho Criciúma - SC, 26/11/2018 - 09:12Atualizado em 27/11/2018 - 15:52

1º, 5º e 9º Governador do Estado – 1889/90 – 1891/91 – 1902/05 – 1918/22.

Implantada a República e constituído o Estado de Santa Catarina, uma Junta Governativa administrou nossa terra de 17 de novembro de 1889 a 2 de dezembro do mesmo ano. Era composta por João Batista do Rego Barros Cavalcanti de Albuquerque, Alexandre Marcelino Bayma e Raulino Júlio Adolfo Horn. 

Filho de Pedro Müller e de Ana Michels Müller, nasceu em Itajaí, a 8 de novembro de 1863. Os pais, imigrantes alemães fixados em São Pedro de Alcântara (Grande Florianópolis) abandonaram as lides agrícolas e foram buscar outra ocupação em Itajaí. Lauro foi alfabetizado e estudou em escolas alemãs em escola local e em Blumenau. Seu pai projetara-lhe a profissão de agrimensor, mas ele preferiu seguir para a capital imperial em busca de outros estudos. Em 1882, matriculou-se no Colégio Militar graduando-se em engenharia.  Fez carreira: de Alferes (1885) a General de Divisão (1921).

Completado o curso de engenharia militar, concomitantemente à proclamação da República, foi nomeado, em 1889, por Deodoro da Fonseca (a quem servia como ajudante de ordens), o primeiro governador republicano de Santa Catarina, substituindo a Junta Governativa que, provisoriamente, administrava o Estado.  Lauro Müller recebeu o governo dia 2 de dezembro de 1889. Interinamente foi substituído pelo Vice-Governador Raulino Júlio Adolpho Horn. Em setembro de 1890 seria eleito deputado federal constituinte. 

Eleito pelo Congresso Catarinense, em 10 de novembro de1891 reassumiu o governo de Santa Catarina, onde já atuavam as forças que resultariam na Revolução Federalista. Teve que renunciar 18 dias depois, em 28 de novembro de 1891. Na realidade estava sendo deposto pelos federalistas e teve de se ocultar, a fim de não sofrer violências. Em substituição governaram, interinamente, Firmino Lopes do Rego, substituído por uma Junta Governativa formada por Luiz dos Reis Falcão, Artur Deocleciano de Oliveira e Cristóvão Nunes Pires, a qual foi destituída em 1º de março de 1892 pelo Interventor Federal Manoel Joaquim Machado que seria nomeado 3º governador de nosso Estado, tomando posse dia 15 de setembro daquele ano. Renunciou no ano seguinte por denúncia de irregularidades feitas pelo deputado Felippe Schmidt. Machado foi substituído, interinamente, por Elyseu Guilherme da Silva, Cristóvão Nunes Pires, Francisco de Salles Brasil e Antônio Moreira Cesar.

Lauro Severiano Müller, três vezes Governador do Estado

Em 1893, no auge da revolução, foi eleito deputado federal, mas com o afastamento de Deodoro e o fechamento da Câmara dos Deputados, teve que aguardar para, somente no ano seguinte, assumir a cadeira de deputado à Assembleia Nacional Constituinte. Foi ele quem, na sessão de 22 de dezembro de 1890, da Câmara Federal apresentou uma propositura, subscrita por 80 deputados, para a inclusão da mudança da capital federal para o Planalto Central, onde o governo mandaria demarcar 400 léguas quadradas para o Distrito Federal. 

Em 1900 foi eleito senador.

Em 1902 foi, novamente, eleito para governar Santa Catarina, até 1906. Governou apenas 44 dias e entregou o governo ao vice-governador, Vidal José de Oliveira Ramos, para assumir o cargo de ministro da Viação no governo do presidente Rodrigues Alves. Interinamente Vidal Ramos foi substituído por Antônio Pereira da Silva Oliveira, Abdon Batista e Gustavo Richard.

Em 1913 foi eleito, novamente, senador. Renunciou ao mandato para substituir ao Barão do Rio Branco no ministério das Relações Exteriores do presidente Hermes da Fonseca. Nesse cargo foi reconduzido pelo presidente Wenceslau Braz. Deixou o ministério em 1917, durante a Primeira Guerra, pressionado pela imprensa que alertava contra o "perigo alemão" e os discursos inflamados de Rui Barbosa, em função de suas origens germânicas. Nesse mesmo ano foi reconduzido ao senado da República e, no ano seguinte, eleito – novamente – governador do Estado renunciando ao cargo para Hercílio Luz, vice-Governador.

Como ministro da Viação promoveu importantes obras no Rio de Janeiro, como a abertura da Avenida Brasil, e iniciou a campanha contra a seca do Nordeste. Ampliou as redes ferroviária e telegráfica nacional. Como chanceler solucionou problemas de fronteiras com o Uruguai.

Lauro Müller é nome de muitas vias, próprios e logradouros públicos e do município de igual nome, no sul de Santa Catarina, berço da exploração do carvão mineral no Brasil.

Faleceu no Rio de Janeiro a 30 de julho de 1926.

Bibliografia: Corrêa, Carlos Humberto, Os Governantes de Santa Catarina de 1739 a 1982, Editora da UFSC, 1983; Arquivo Público de Santa Catarina; Wikipédia, Internet; Governo do Estado de Santa Catarina. 
Contato com o autor: naspolini@engeplus.com.br