Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Banco é autuado por longo tempo de espera na fila

Lei Municipal diz que o tempo indicado é de até 20 minutos, sendo que estava chegando aos 40 minutos
Por Redação Criciúma - SC, 11/06/2018 - 16:57Atualizado em 11/06/2018 - 17:13
(foto: divulgação)
(foto: divulgação)

O Programa de Proteção e Defesa do Consumidor (Procon) de Criciúma, realizou nesta segunda-feira (11), uma fiscalização na agência do Banco do Brasil, no centro da cidade. O órgão recebeu denúncias após consumidores alegarem estar esperando além do tempo permitido em Lei. “Recebemos a denúncia de que vários consumidores estavam esperando mais de 40 minutos na fila do banco. Junto com fiscais, fomos até a agência e constatamos a irregularidade”, afirma o coordenador do Procon de Criciúma, Gustavo Colle.

De acordo com o coordenador o banco desrespeitou o Art.1º da Lei Municipal nº 59.09/2011, que dispõe sobre o tempo de atendimento ao público nas agências bancárias, nas casas lotéricas e correspondentes bancários estabelecidos no município. “Nossa intenção é fazer com que os bancos respeitem e saibam que existe uma Lei e a Lei deve ser cumprida. Os consumidores muitas vezes tiram um tempinho do seu trabalho para realizar uma transação bancária e é inadmissível que uma pessoa fique esperando além do tempo permito sendo prejudicada”, explica Colle.

Conforme a Lei, é considerado tempo razoável para atendimento nas agências bancárias até 20 minutos em dias normais, até 30 minutos em véspera ou após feriados prolongados, nos dias de pagamento de funcionários públicos municipais, estaduais ou federais, e nos dias de recolhimento de tributos municipais, estaduais ou federais.

A Lei explica que os bancos são obrigados a colocar à disposição dos usuários pessoal suficiente no setor de caixa a fim de que os serviços sejam prestados no tempo razoável. “A melhoria e a humanização dos serviços bancários são prioridades do Procon de Criciúma e iremos estabelecer sanções todas as vezes que as irregularidades persistirem”, finaliza o coordenador.

O representante do Banco do Brasil alegou que sempre em época de pagamento o tempo de espera extrapola e afirmou que já esperava a fiscalização do Procon, não dando nenhuma explicação extra do porquê da demora.