Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Banco de Olhos: “Agora vai”, garante Acélio Casagrande

Secretário de Estado da Saúde disse que vai apoiar a abertura junto aos municípios da Amrec
Por Clara Floriano Criciúma - SC, 02/05/2018 - 11:27Atualizado em 02/05/2018 - 11:27

O Banco de Olhos de Criciúma deve começar a funcionar em breve. Em reunião que aconteceu na segunda-feira (30) na sede da Associação dos Municípios da Região Carbonífera (Amrec), o secretário de Estado da Saúde, Acélio Casagrande disse que vai apoiar a abertura em parceria com os municípios da microrregião.  

“Agora vai. Vamos acabar com esta novela de uma vez por todas. Estamos com o cronograma, com a equipe e com tudo o que é necessário para poder colocar de pé. Se Deus quiser e nada de burocracia impedir, em 60 dias estaremos com o banco de Olhos no Hospital Santa Catarina. Já com equipe, insumos e fazendo todo o processamento de córneas captadas no Sul do Estado”, garantiu Acélio.

O SC Transplantes vai coordenar o Banco de Olhos de Criciúma. Três técnicos de enfermagem, um enfermeiro e um médico devem ser disponibilizados pelos municípios da Região Carbonífera. O Estado cederá um médico, um enfermeiro, além da equipe de logística e insumos. O custo da contrapartida será rateado entre os municípios da ARMEC.

“Vamos fazer uma equipe bem enxuta para que depois de um determinado número de captações ele se torne viável, inclusive financeiramente. A reunião com os prefeitos foi boa, todos concordaram em ajudar, mas esbarra na questão legal de como repassar estes recursos. Isto está sendo administrado agora. Se não for possível o Estado assume, porque não podemos deixar isso correr por conta da burocracia”, explicou o secretário.

Acélio garantiu ainda que o espaço físico do Hospital Santa Catarina é adequado para a realização dos serviços. “Se tivéssemos pensado um pouco diferente, poderíamos ter feito algo menor. Mas como já está ali o espaço físico e os equipamentos necessários. Então não tem mais como mudar. Tem que ser ali mesmo, não tem como não ser”, explicou.