Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
CORONAVÍRUS - Saiba mais aqui

As histórias do argentino gente boa que conquistou uma içarense pelo Tinder

Ele veraneia no Brasil faz algumas décadas, inclusive teve um bar em Florianópolis e diz que é primo de Chilavert
Erik Behenck
Por Erik Behenck Balneário Rincão - SC, 09/01/2020 - 19:36
Fotos: Luana Mazzuchello
Fotos: Luana Mazzuchello

Victor Hugo é natural do Paraguai, mas mora na Argentina e conheceu Ludete pelo Tinder. Isso aconteceu em novembro e o casal recém-formado já pensa em trocar alianças. Eles estavam passando pelo calçadão do Rincão e participaram do Som Maior Verão, contando esta história inusitada.

“Eu conheço o Brasil faz 30 anos, sou fã de Laguna. E agora através dela conheci o Rincão. É muito legal, trilegal”, comentou o paraguaio, que disse ainda ser primo do ex-goleiro Chilavert, conhecido por seus gols de faltas e de pênaltis, ficando atrás somente atrás de Rogério Ceni na lista de arqueiros artilheiros.

Ela roubou o coração do hermano


Ludete é moradora de Içara e está empolgada com o romance. “Nos conhecemos no Tinder, algum tempo atrás e fomos amadurecendo o relacionamento, e agora estamos com projetos”, comentou. “Nós estamos organizando para daqui a pouquinho”, completou o namorado.

E teve mais participação internacional no Som Maior Verão de hoje. O uruguaio Ramiro Doyenart é acadêmico de Educação Física da Unesc, e também possui relações com Ludete. “É aluna lá na academia que eu trabalho, é um mundo pequeno. No Rio da Prata já sabemos que tem içarenses disponíveis”, citou.

As histórias de Victor Hugo

A passagem atual pelo Brasil deve seguir até o Carnaval. Nas últimas décadas esse caminho entre o litoral catarinense e a Argentina tem sido comuns, inclusive já foi empresário, dono de um bar na capital do estado, durante o Governo Collor. “Nós comprávamos a cerveja por um preço de manhã e de tarde já estava em outro preço”, contou.

Paraguai, uma terra boa

O Paraguai é conhecido pela venda barata de produtos, segundo o homem que mora na Argentina, hoje sua terra natal está em pleno desenvolvimento. “Agora tem 500 empresas brasileiras radicadas no Paraguai, isso em dois anos”, citou. Disse que os impostos são únicos para todos e que ninguém foge do país.

E o turista foi mais longe com suas histórias envolvendo os países. “O que muita gente não sabe, é que em Jaguaruna, Araranguá, Itajaí e Jaraguá, antes da Guerra da Tríplice Aliança, eram do Paraguai”, afirmou.

A procura pelo litoral brasileiro

Victor Hugo conheceu Ludete quando estava em Laguna, ele nem fazia ideia do que era Içara ou Balneário Rincão, mas embarcou nesta aventura. “Em Laguna eu entrei no Tinder e não tinha ideia de onde ficava Içara, então eu fui para lá numa noite. Isso foi em novembro”, revelou.

Se ele continua vindo para o Brasil, seus conterrâneos e também os uruguaios têm procurado menos pelas prias brasileiras, algo que é causado pela inflação. “A relação do peso com o dólar é muito alta, na Argentina, por causa do valor, tem essa complicação”, comentou.

Nem o gelado mar argentino, como ele disse ser, tem sido páreo para a desvalorização do peso.