Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
CORONAVÍRUS - Saiba mais aqui

Arquitetura para estimular as pessoas na academia

Arquiteta, especializada em projetos para este tipo de estabelecimento, atende toda a América Latina
Marciano Bortolin
Por Marciano Bortolin Criciúma, SC, 06/09/2020 - 11:58
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Você já reparou como a aparência de um lugar afeta lhe hora de decidir em qual restaurante vai comer ou em qual loja vai comprar? Pode não parecer, mas esta influência também acontece na hora de escolher um espaço para treinar.

Há mais de 20 anos, a arquiteta Patrícia Totaro, trabalha com projetos para academias. "Há 25 anos fiz o meu primeiro projeto de academia, não existia nenhuma referência sobre isso no Brasil. No mundo já existia. eu fui atrás de pesquisar. quando eu vi, eu estava só fazendo projeto de academia. Então, há 20 anos, o meu escritório é especializado em projeto de academias e com isso a gente atende a América Latina inteira", comentou ao Programa Ponto a Ponto, da Rádio Som Maior.

De São Paulo, ela já elaborou projetos para estabelecimentos de Criciúma. Patrícia explicou que o corpo humano, apesar de precisar do movimento, gosta de ficar parado e precisa de estímulo. "Então a gente precisa estimular o corpo com várias coisas para ele querer se mexer. A academia é um lugar onde se busca saúde, é um lugar divertido, prazeroso, mas você precisa estar bem estimulado para querer frequentar. Então é um conjunto de tudo. A gente trata a academia como um local comercial, ter as coisas que são tendências na arquitetura, porque a arquitetura tem tendências. Na sua casa, não necessariamente você precisa ter a tendência, você coloca o que gosta. Em uma loja, em um restaurante, em uma academia, é melhor colocar o que a grande parte das pessoas entende que é bacana. Você escolhe o local que vai frequentar se tem uma identificação visual com ela e mais que visual, sensorial. A iluminação, por exemplo, é fundamental, porque em cada hora do dia você precisa de estímulos diferente", disse.

Confira a entrevista ao Programa Ponto a Ponto na íntegra: