Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
CORONAVÍRUS - Saiba mais aqui

Alunos apresentam projetos do Programa A União Faz a Vida

Principal iniciativa de responsabilidade social do Sicredi, alcança 360 educandos na escola Paulo Petruzzellis, em Criciúma
Redação
Por Redação Criciúma, SC, 12/12/2019 - 12:27
foto: divulgação
foto: divulgação

Salas de aula de portas abertas para mostrar o trabalho de um semestre de perguntas, expedições e construção coletiva. Nesta quarta-feira, 11, os alunos das turmas que integram o Programa A União Faz a Vida, da escola municipal Paulo Petruzzellis, do Bairro da Juventude de Criciúma, apresentaram à comunidade e demais educandos, os projetos desenvolvidos nos últimos meses. A iniciativa do Sicredi, alcança atualmente 12 turmas e 360 estudantes na instituição, com previsão de ampliação para 2020.

Como identificamos a diversidade no lugar onde vivemos? De onde vem os alimentos? De onde vem a energia que usamos? Foram algumas das perguntas que deram origem aos trabalhos. O Programa trabalha a metodologia de projetos com os professoresprevendo uma condução mais participativa e protagonista do processo de ensino aprendizagem. “Com pessoas educadas desde cedo em temas como cooperação e cidadania, tanto o Sicredi como a sociedade se desenvolvem cada vez mais. É nisso que acreditamos com o Programa”, afirma Aloísio Westrup, presidente da Sicredi Sul SC.

A professora Priscila Mandelli conta com entusiasmo o resultado do A União Faz a Vida para a turma do 4º ano. Para responder à pergunta “O que vemos neste lugar?”, explorando o turismo regional, ela levou os educandos até o Farol de Santa Marta, em Laguna. “Foi uma experiência única para eles e para mim também. Além de explorar a pergunta central, ajudamos em um mutirão de limpeza na praia e trabalhamos questões como a preservação do meio ambiente e dos animais”, conta a docente.

Sobre o A União Faz a Vida

As expedições investigativas são o ponto de partida da metodologia do Programa A União Faz a Vida. Com a mediação dos educadores, os estudantes percorrem os locais onde vivem, rompendo os limites da escola. A partir disso, são definidos os temas que serão trabalhados em sala de aula, alinhados ao currículo escolar. Assim se constrói uma forma colaborativa de compreender a realidade.