Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
4

Aeroportos do Sul receberão cerca de R$ 90 milhões em investimentos

Governador e gestores da Secretaria de Estado da Infraestrutura e Mobilidade expuseram as melhorias realizadas e previstas no modal aeroviário da região
Marciano Bortolin
Por Marciano Bortolin Jaguaruna, SC, 15/10/2021 - 14:15Atualizado em 15/10/2021 - 14:20
Foto: Arquivo/4oito
Foto: Arquivo/4oito

Os aeroportos do Sul do estado devem receber investimentos que chegam perto dos R$ 90 milhões. A informação foi repassada pelo governador Carlos Moisés da Silva à lideranças da região na manhã desta sexta-feira, 15, em encontro na Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Tubarão. "Organizamos as contas públicas, elegemos a infraestrutura como prioridade, e estamos investindo no fortalecimento da aviação regional. Nos dois aeroportos do Sul, são mais de R$ 88 milhões entre os investimentos já realizados, em andamento e planejados até o ano que vem. Com esse aporte e a concessão do Aeroporto de Jaguaruna, haverá uma transformação muito grande para a região. O desenvolvimento do Sul de Santa Catarina é um caminho sem volta", projetou o governador Carlos Moisés.

Aeroporto de Jaguaruna

Conforme a apresentação realizada na CDL, o Aeroporto Regional Sul Humberto Ghizzo Bortoluzzi, de Jaguaruna, deve receber aproximadamente R$ 72 milhões em investimentos. No ano que vem, é possível que haja até três companhias aéreas operando voos regulares no local, uma vez que a Gol também já manifestou essa intenção. Atualmente, Azul e Latam atuam em Jaguaruna.

"Onde há aeroportos fortes, há encurtamento de distâncias, há desenvolvimento e melhoria de qualidade de vida para toda a região. Em Jaguaruna, tínhamos um terminal de passageiros com goteira e ninguém querendo operar. Hoje temos perspectivas muito melhores. Precisamos dar as condições para atrair voos de carga, acreditando que haverá essa demanda, porque esta é uma região importante", expôs o secretário de Estado da Infraestrutura e Mobilidade, Thiago Augusto Vieira.

O Governo do Estado promoveu iniciativas como melhorias no terminal de passageiros, implantação de nova sinalização horizontal, reforma e regularização do serviço contra incêndio, regularização ambiental, desenvolvimento e aprovação do Plano Diretor Aeroportuário e a certificação operacional pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), que está em andamento. Em Jaguaruna, também foi pavimentada a estrada que liga a área central do município ao aeroporto. No total, são cerca de R$ 18 milhões investidos.

O Governo do Estado ainda investirá mais de R$ 54 milhões para alargar a pista de pouso e decolagem de 30 para 45 metros e a ampliação e reformulação do terminal de passageiros. O comprimento da pista de pouso, de 2.500 metros, já é o maior de Santa Catarina e adequado a todas as operações futuras em Jaguaruna.

O Aeroporto de Jaguaruna está em processo de concessão para a iniciativa privada. No início deste mês, dois estudos de viabilidade técnica, econômico-financeira, jurídica e ambiental, feitos por empresas autorizadas, foram apresentados e estão sendo avaliados pela comissão de avaliação do Governo do Estado. A expectativa é avançar para as fases de consulta pública e audiência pública entre dezembro de 2021 e fevereiro de 2022 e, tão logo ocorra a análise do Tribunal de Contas do Estado (TCE), o edital seja publicado em meados de 2022.

Aeroporto de Forquilhinha

Já o Aeroporto Diomício Freitas, de Forquilhinha, passou por regularização operacional e receberá ações para corrigir falhas no pavimento da pista de pouso e decolagem e das pistas de taxiamento, assim como para adequar a sinalização e o cercamento. A licitação para esses trabalhos, orçados em R$ 13,8 milhões, está em andamento. A previsão é assinar a ordem de serviço no fim de novembro e concluir a obra em junho de 2022.

O Governo do Estado também planeja implantar o sistema de Estação Meteorológica de Superfície Automática com Estação de Radiodifusão Automática de Aeródromo (EMS-A/ ERAA), com mais R$ 2,7 milhões em investimentos. Na prática, significa a retomada das operações por instrumentos com baixo custo de operação e elevado grau de segurança e regularidade operacional. Os projetos foram encaminhados ao Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea), da Aeronáutica, e estão em análise pelo órgão federal.