Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Ações conscientizam sobre o autismo

Carreata Azul percorreu ruas de Criciúma ontem. Hoje tem uma iniciativa na Praça Nereu Ramos
Por Bruna Borges Criciúma, SC, 03/04/2019 - 11:07
Fotos: Daniel Búrigo / A Tribuna
Fotos: Daniel Búrigo / A Tribuna

Conscientizar a população sobre o Transtorno do Espectro Autista (TEA) é tarefa para se cumprir o ano todo, mas é durante a primeira semana de abril que as ações se intensificam. Em Criciúma, a quinta edição da Carreata Azul, realizada ontem, Dia Mundial de Conscientização sobre o Autismo, reuniu membros das forças de segurança e chamou a atenção para o tema.

A carreata é promovida pela Cruz Vermelha e pela equipe Multi-Institucional, com apoio da Associação de Pais e Amigos dos Autistas da Região Carbonífera (Ama-Rec). As viaturas saíram em comboio da sede da Cruz Vermelha, no Bairro Pinheirinho, seguiram pela Avenida Centenário até a região da Próspera e retornaram. 

Hoje também tem ação na cidade. Será na Praça Nereu Ramos e ocorrerá durante todo o dia. Com o apoio da Unesc e do Hospital São José, a Ama fará panfletagem e conversará com o público sobre a condição do autismo. 

Parque das Nações

Fechando a semana, no domingo, o Grupo de Autismo e Inclusão de Criciúma e Região promoverá mais uma ação de conscientização a respeito do assunto. O evento será realizado no Parque das Nações e está marcado para as 16h. “É importante ressaltar que o evento começa às 16h, porque o tempo de espera do autista é curto. Nós, pais de autistas, sabemos que vamos conseguir ficar lá por no máximo uma hora, então a gente marca às 16h para começar às 16h”, pontua Karini Lima, uma das organizadoras.

Ela explica que nesse dia também haverá entrega de panfletos e a presença de terapeutas dando explicações e interagindo com as crianças, autistas ou não. “Nós vamos estar todos vestidos de azul, que é a cor do autismo, e será um momento de encontro entre as famílias. Ainda existe muito preconceito, muito medo estar com eles em público, por isso nós queremos mesmo conscientizar, mostrar como é a realidade”, comenta Karini. 

Atenção aos sinais

Segundo o pediatra e neurologista Eduardo Borges de Medeiros, o autismo é uma dificuldade de comunicação e de interação com outras pessoas que se apresenta em maior ou menor grau, dependendo da criança. Ele explica que os sinais podem ser percebidos pelos familiares desde cedo. 

“As crianças também apresentam alguns comportamentos característicos, em maior ou menor intensidade, como não corresponder quando se chama pelo nome, não olhar nos olhos, às vezes elas têm algumas fixações por alguns assuntos, alguns interesses, alguns objetos, muitos gostam de coisas que giram, gostam de olhar luzes, são comportamentos repetitivos”, declara Medeiros. 

Cuidar do cuidador

Para a psicóloga Ledjane Cristina Sachet Ghisi é preciso alinhar familiares, profissionais e escola para que o propósito seja voltado ao desenvolvimento da criança e, além disso, é necessário cuidar daqueles que prestam o auxílio ao autista. 

“Sempre falo da importância de ter pai e mãe felizes. Eles estando bem, vão estar bem para o filho. Eu prezo muito pelo bem-estar do cuidador. Antes de serem pais, são um casal, são seres humanos e precisam ter um cuidado com a sua saúde física, mental, espiritual e psicológica. Esse tratamento é fundamental, não podemos desamparar os pais.