Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
CORONAVÍRUS - Saiba mais aqui

A bola rolou no Do Avesso com André Gava e André Henning

Gava participou do acesso do Criciúma na primeira divisão em 2012 e André Henning é conhecido pelas suas fortes narrações no Esporte Interativo
Vitor Netto
Por Vitor Netto Criciúma - SC, 14/05/2020 - 15:35
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Mano Dal Ponte e a Pity Búrigo precisaram entrar em campo e jogar bola no programa Do Avesso desta quinta-feira, 14, na Rádio Som Maior. Os assuntos foram os dos mais variados, mas com um norte em comum: o futebol. O Do Avesso contou com a participação do jogador, André Gava, e do jornalista esportivo, André Henning. 

Nascido em Nova Veneza, André Gava foi revelado pelo Criciúma em 2012 na campanha que deu acesso ao Tigre a primeira divisão. Ele saiu do Criciúma e rodou por outros times até chegar na Itália. Lá, atuou no futebol e depois trocou para o futsal. Agora com a pandemia, está de volta em Nova Veneza sem saber como será o futuro da carreira.

Quase 10 anos atuando, entre base e profissional, relembra da sua época do acesso na primeira divisão, período considerado uma das épocas de ouro do Criciúma. “Sempre gostei de futebol. Eu jogava futsal e então recebi o convite para o infantil do Criciúma em 2005”, comenta. Em 2012 entrou no Criciúma. 

Já atuando na Itália, Gava afirma que lá os contratos são sérios e se tem grande respeito pelos jogadores. “O brasileiro que tem naturalmente um pouco mais de qualidade técnica, eles gostam bastante”, acrescentam. André é neto de Homero Borba, um dos fundadores do Criciúma.

O outro André que participou do programa Do Avesso, André Henning, é jornalista, apresentador e narrador. “Conheço vários estádios pelo Sul, mas o engraçado é que não conheço o do Criciúma. Lembro uma vez que teve um jogo que era Criciúma e Corinthians e eu era ainda repórter e por alguma razão me impediu de ir até o jogo, mas já passei por muitos cantos do sul”, comenta. 

A sua trajetória no jornalismo esportivo é de família, já que seu pai, Hermano Henning, atuava como repórter esportivo. “A gente tem um jeito de transmitir no rádio que é muito diferente de transmitir na televisão. Gosto da televisão, mas sou do rádio. Sou daquele cara que gosta de ouvir o barulho do torcedor, de sentir a emoção”, enfatiza. “Quando me contrataram para a TV, eu fui contratado para isso, para ter o envolvimento do rádio na transmissão de TV”, acrescenta. 

Desde 2006 está no Esporte Interativo, narrando os principais campeonatos do mundo. Entre as transmissões marcantes estão a final do Campeonato Mundial de Handebol Feminino em 2013, e várias partidas que entraram para a história da Champions League. 

O seu estilo de narrar é muitas vezes criticado pelo tom, altura. Henning é dono do bordão “Tem que apanhar de cinta”, quando um jogador perde uma grande chance de fazer um gol.

Atualmente também conta com o seu canal no Youtube ‘No ar com André Henning’, onde entrevista personalidades do esporte e conta com mais de 160 mil inscritos. Ele também está fazendo uma grande campanha no Instagram para doação de mantimentos para famílias que passam necessidade durante pandemia de coronavírus.