Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Uma lei em prol das vítimas de violência em Criciúma

Mulheres vítimas de violência poderão ter vagas de emprego reservadas nos editais de licitação
Redação
Por Redação Criciúma, SC, 26/10/2020 - 20:12
Vereadora Camila é a autora / Divulgação
Vereadora Camila é a autora / Divulgação

A Câmara de Criciúma aprovou, por unanimidade, projeto de lei que institui a reserva de vagas para mulheres em situação de vulnerabilidade econômica decorrente de violência doméstica e familiar nos editais de licitação que visem à contratação de empresas para a prestação de serviços continuados e terceirizados no âmbito Administração Pública Municipal direta, autárquica e fundacional no município de Criciúma.

Conforme o projeto de lei, PL nº 83/2020, de autoria da vereadora Camila Nascimento (PSD), as empresas prestadoras de serviços continuados e terceirizados realizarão processo seletivo para a contratação das trabalhadoras mediante acesso ao cadastro mantido por instituições públicas parceiras e encaminhamento da Secretaria Municipal de Assistência Social.

Ainda conforme a matéria, a identidade das trabalhadoras contratadas em atendimento a esta Lei será mantida em sigilo pela empresa, sendo vedado qualquer tipo de discriminação no exercício das suas funções.

Em sua justificativa, Camila afirma que  o projeto leva em consideração as implementações de políticas públicas por parte da União e também de Estados, do Distrito Federal e de Municípios da Federação no sentido de promover ações para o enfrentamento da violência contra a mulher, sobretudo assegurando "às mulheres as condições para o exercício efetivo dos direitos à vida, à segurança, à saúde, à alimentação, à educação, à cultura, à moradia, ao acesso à justiça, ao esporte, ao lazer, ao trabalho, à cidadania, à liberdade, à dignidade, ao respeito e à convivência familiar e comunitária”, conforme dispõe o art. 3º, caput, da Lei Federal n. 11.340, de 2006 (Lei Maria da Penha).