Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Uber, Cabify e 99 juntas contra PL que pode inviabilizar apps de carona

Senado Federal vota amanhã se Projeto de Lei 28/2017, que pretende regulamentar o mercado no país, entra em regime de urgência ou não
Por Redação São Paulo, SC, 25/09/2017 - 14:10Atualizado em 25/09/2017 - 14:17

Responsáveis pela grande mudança que o setor de transporte particular tem sofrido nos últimos anos, a empresas de compartilhamento de carona Uber, Cabify e 99, se juntam contra  o Projeto de Lei 28/2017, do Senado Federal, que pretende regulamentar a prática no país.

A grande questão alegada pelas companhias é que o tema não foi discutido de maneira suficiente para que fosse produzido um projeto dessa magnitude. Para as empresas, essa medida aumenta a burocracia e pode inviabilizar a existência dos apps de mobilidade no país.

“O Senado ameaça acabar com os aplicativos de mobilidade urbana no Brasil”, afirmou o Uber em comunicado. “Em vez de debater abertamente, eles dizem que estão criando uma regulação. Não estão. Na verdade, este projeto de lei aumenta a burocracia, exige dos motoristas de aplicativos licenciamento com placas vermelhas, e diminui a possibilidade das pessoas de gerarem renda.”

Com isso, as três companhias organizam um abaixo-assinado para reunir o apoio de pessoas de todo o Brasil no combate ao projeto em discussão no Senado. Desde o domingo (24), as empresas estão coletando assinaturas de passageiros contrários ao PL para entregar aos senadores e, para participar, basta acessar o site Juntos Pela Mobilidade e imprimir, assinar e entregar o documento para um motorista do Uber, Cabify ou 99.

Além disso, as empresas solicitam que os seus passageiros também gravem vídeos se posicionando contrários ao PL e enviem a seus senadores pelas redes sociais.  Uber, Cabify e 99 desenvolveram, juntas, uma proposta para a regulamentação do setor no Brasi (clique no link para baixar em PDF).

O Senado decide nesta terça-feira (26) se o PL 28/2017 entra em regime de urgência ou não.