Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
CORONAVÍRUS - Saiba mais aqui

O desafio do Tigre para evitar lesões na retomada dos treinos e dos jogos

O preparador físico William Hauptman falou sobre o retorno dos trabalhos; domingo pode ser de folga para os jogadores
Heitor Araujo
Por Heitor Araujo Criciúma - SC, 25/06/2020 - 12:44Atualizado em 25/06/2020 - 12:44
Foto: Arquivo / Divulgação
Foto: Arquivo / Divulgação

Depois de quase 100 dias sem treinos, o Tigre chegará no sábado, 27, com 11 dias de treinamentos presenciais. Pela carga de trabalho pesada para retomar o condicionamento físico e entrar em campo no dia 8 de julho contra o Marcílio Dias, o clube estuda a possibilidade de uma folga para o domingo. O preparador físico William Hauptman falou sobre o retorno dos trabalhos. 

"O nível de preparação física cai. O nível da força e velocidade cai, você perde as valências necessárias para o jogo, os 90 minutos. Não sou de chorar sobre o leite derramado. Temos que olhar o que vamos viver, estudamos uma folga no domingo porque serão 11 dias de trabalho sem folga. É buscar o tempo que foi perdido para que possamos ter a melhor performance possível no dia 8 de julho contra o Marcílio", disse.

O Tigre apresentou reforços após o retorno dos trabalhos. "(Atletas) também estavam em atividade e eram monitorados. Alguns a gente sabia que seriam contratados e monitorávamos junto com os atletas. De quatro que chegaram, um estava pouco abaixo, outro acima, normal. Treino após treino vamos tentar fazer esses jogadores chegarem na mesma forma física", pontuou o preparador.

Sem lamentações, Hauptman afirmou que o tempo de trabalho para entrar em campo no dia 8 não é o ideal, mas o esforço é para entrar da melhor forma possível contra o Marinheiro. "Após 90 dias sem competição, precisaríamos de 35, 45 dias para trabalhar. Mas não temos. É trabalhar da melhor forma possível para chegar no dia 8 de julho com o atleta oferecendo seu melhor". 

"Toda atividade física é sujeita a lesão. Quando você extrapola o seu limite, está sujeito a lesão. Trabalhamos a resistência, força, potência e velocidade. O jogo é a união de todas essas valências com a competitividade do adversário, mais a pressão psicológica. Vamos tentar equacionar o trabalho de uma maneira em que levaremos para o jogo os jogadores que têm condições de atuar".

Na avaliação de Mário Lima, narrador do Timaço da Rádio Som Maior, essa parada do Campeonato acaba nivelando a reta final: na avaliação do Amigo da Galera, o Tigre torna-se postulante ao título. "O time mais bem armado tecnicamente é o Avaí, mas não sabemos a condição que vem. O equilíbrio é total agora. Mata-mata, que eu chamaria de mata ou morre, fica bem equilibrado. São dois jogos, sem prognóstico. Às vezes o mais bem preparado cai em 90 minutos. E aí para recuperar no outro jogo?", projeta Mário Lima. 

Nesta quinta-feira, o Tigre treinou com bola pela manhã. O elenco se reapresenta às 15h30 para novas atividades.