Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...

Projeto de acadêmico agrega inovação à implemento agrícola

Rolo faca criado por estudante de Engenharia Mecânica da Satc é produzido em Turvo e vendido para todo o país
Por Redação Criciúma, SC, 25/08/2019 - 17:53
Divulgação
Divulgação

A inquietude e a vontade de fazer algo diferente são marcas do acadêmico de Engenharia Mecânica da Faculdade Satc, Cristiano Valnier Mota, 30 anos. A experiência na área metalmecânica e agrícola fez com que ele desenvolvesse um equipamento agrícola diferenciado. O rolo faca auto transportável não é novo entre os agricultores, mas Cristiano apresenta algo inovador.

O primeiro ponto é a comodidade do operador da máquina, que é de acionamento hidráulico e permite o manuseio de dentro da cabine do trator. O segundo ponto é a angulação de ataque e material da navalha (em aço 1070) que amassa e corta a palha, na melhor forma para que a seguinte máquina (plantadeira) venha realizando a plantação. “Realizamos testes e nosso equipamento conseguiu fazer a preparação do terreno em 120ha por dia. Isso, no final das contas, representa imensa economia e rendimento para o agricultor”, pondera o acadêmico.

Entre cálculos, ajustes e melhorias, o projeto do rolo faca começou a ser desenvolvido no início de 2018 e já no primeiro semestre daquele ano foi exposto na feira Agrobrasília obtendo vendas. Produzido na empresa onde trabalha como projetista, a Metalúrgica Scarabelot, com sede em Turvo, o equipamento já está sendo vendido em todo o Brasil. “Ao presenciar o equipamento cumprindo seu papel na lavoura de forma eficiente, é imensurável a satisfação pessoal. Você vê na prática que todo empenho, força de vontade, trabalho em equipe e conhecimento adquirido na forma prática e acadêmica, pode resultar no destino final do equipamento”, ressalta.

O sistema de rolo faca é utilizado por produtores rurais que trabalham com o plantio direto. A máquina, tracionada por um trator, passa amassando e cortando a palhada da cultura que foi colhida ou da forrageira cultivada para cobertura do solo. Isso permite que o agricultor venha em seguida já plantando algo novo no lugar. “No plantio antigo, era preciso realizar aração e gradagem do solo várias vezes para revolver a terra e deixar pronta. Com o plantio direto, o agricultor economiza combustível, mão de obra, não agride o meio ambiente (erosão, queimadas...), evita perca de nutrientes nas áreas pluviais e consegue preencher sua janela de plantio no tempo correto”, reforça Cristiano.

Atualmente, a Metalúrgica Scarabelot produz uma média de quatro rolo facas por mês. Mas a intenção é aumentar. “As vendas estão ocorrendo de forma crescente, mas com a intensa procura pelos clientes pela máquina, vamos precisar otimizar ou até terceirizar alguns processos”, destaca o acadêmico. O equipamento está presente em vários estados como: Rio Grande do Sul, Minas Gerais, Goiás, Paraná, Santa Catarina Bahia, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul.