Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
Por Marcelo Branco 15/12/2018 - 06:00

QUEIJO SERRANO - Reza a lenda que um megaempresário bem-conhecido, também muito influente na política regional e também na mídia, quando quer dispensar algum de seus colaboradores mais graduados, depois de uma conversa, o presenteia com um queijo serrano daquele bem “favado” e lhe manda embora. Esta história me foi contada pelo narrador Mário Lima após dois colaboradores desta empresa receberem este presente e, coincidentemente, dias depois, serem demitidos. O “Amigo da Galera” um dia recebeu um queijo serrano, mas só ficou com um pedaço e devolveu ao empresário. A história virou folclore.

SONHO - Segundo o prefeito Rogério Frigo, na inauguração do pórtico, sobre os investimentos que Caravaggio terá, foi feita alusão à placa "Acorda, Caravaggio". Disse Frigo: "o povo de Caravaggio pode dormir tranquilo que, ao acordarem, vão ver muitas obras".

Por Marcelo Branco 08/12/2018 - 06:00

“ARTEIROS” - Este fato vai ficar no folclore político criciumense e da região. A demissão de um atuante secretário de Cultura, devido a uma polêmica “obra” de arte que foi exposta na Casa da Cultura. O autor da obra, que é de uma universidade local, já ficou famoso por derrubar um secretário bem conhecido na cidade, inclusive que já trabalhou com o prefeito Clésio Salvaro no mandato passado. Esta história ainda vai render muito folclore e a denominação da obra ficou por conta da criatividade do povo.

CORPO FECHADO - Caiu um raio na prefeitura de Jacinto Machado quando Mário Recco estava em seu terceiro mandato. O raio caiu em cima de seu gabinete, o estrondo foi forte, quebrou telhas, fumaceou e chegou a lhe empurrar da cadeira. Felizmente nada de grave aconteceu. A oposição na época disse: "não tem raio que parta o homem".

Por Marcelo Branco 01/12/2018 - 00:20Atualizado em 01/12/2018 - 00:20

TREINAMENTO - Nesta semana vários caminhões do Exército passaram em Nova Veneza em direção ao interior, para as montanhas, nas proximidades da barragem do Rio São Bento, que fica no município de Siderópolis. Atenção a todos que escrevem que a barragem do Rio São Bento fica em Nova Veneza! O prefeito de Siderópolis, Hélio “Alemão” Cesa, fica indignado, e com razão. Bom, mas o assunto é outro. Mediante a circulação destes caminhões do exército por aqui, um atento eleitor neoveneziano foi direto ao assunto: “o Bolsonaro nem assumiu, mas ele já botou a tropa para se aperfeiçoar...”. A gargalhada foi geral.

AVIÃO DE ROSCA - Um prefeito de um município aqui do vale do Araranguá, vizinho de Turvo, foi sobrevoar o município com o então governador e andou se encostando no “coletivo”, um dos equipamentos que comanda a aeronave, causando um susto no piloto e nos demais ocupantes. O helicóptero deu uma “girada”, mas o piloto, que era experiente, controlou. Esta história há pouco tempo veio à tona, inclusive este prefeito já faleceu.

Por Marcelo Branco 24/11/2018 - 06:00

ESTOMAZIL - Há uma antiga frase repetida nos meios políticos que segundo a história é atribuída ao saudoso político catarinense Nereu de Oliveira Ramos: “A política é a arte de engolir sapos”. Por aqui, um amigo da coluna diz: “e quem não tem estômago não se meta...”. Valeu a dica, mas a política é instigante, pois você flerta com o poder que para alguns é apaixonante.

“CANELADAS” - O presidente eleito Jair Bolsonaro, no seu estilo polêmico, quando se arrepende ou tenta pedir desculpas de algumas de suas tiradas mais pesadas, fala que são “caneladas”. No meio futebolístico, quando se dá canelada é quando você bate no adversário de maneira imprudente ou quando tenta dominar a bola, mas ela bate na canela, voltando para o adversário, ou seja, falta de habilidade. Tem que cuidar destas caneladas ou bola fora, presidente, já antes de assumir.

Por Marcelo Branco 17/11/2018 - 06:00

OUTDOOR – Naqueles dias que apareceu a placa do “Acorda Caravaggio”, na mesma semana apareceu o outdoor de Bolsonaro. Imagine o agito nos bastidores em Caravaggio...

TORNOZELEIRA ELETRÔNICA – Esta vai ficar na história política da simpática Meleiro. Uma vereadora estava em prisão domiciliar e usando tornozeleira eletrônica. Teve foguetório na cidade nesta semana quando foi liberada para volta ao Poder Legislativo. É o principal assunto das rodas no município.

* Histórias baseadas em fatos da política de Nova Veneza.

Por Marcelo Branco 10/11/2018 - 06:00Atualizado em 10/11/2018 - 14:24

MILAGRE - No Dia de Finados, um amigo da coluna me disse que, na capela do saudoso Padre Amilcar Gabriel, há “17” plaquinhas de graças alcançadas, segundo os devotos do Padre Amilcar que se radicou em Nova Veneza na sua vida sacerdotal. O número chamou a atenção, pois isso foi antes das eleições. Disse ele: “até ali é número 17.”

“CASSADO” - Uma figura bem conhecida da cidade, que era ferrenho cabo eleitoral de Haddad, arrumou tanta encrenca no grupo da família do ‘zap’ que a sua esposa o tirou do grupo que tinha 40 integrantes. Ele estava sozinho, mas isso faz parte da democracia, o problema era que ele confrontava demais.

* Histórias baseadas em fatos reais da política de Nova Veneza

Por Marcelo Branco 03/11/2018 - 06:00Atualizado em 08/11/2018 - 22:09

GARIBALDI - Um italiano que costuma vir muito para a nossa região, ao visitar a cidade de Garibaldi, no estado vizinho do Rio Grande do Sul, pediu para o amigo que estava dirigindo o carro estacionar, pois ele queria “derrubar” a estátua, porque o italiano Giuseppe Garibaldi, que casou com a catarinense Anita, foi quem “unificou” a Itália, o que ainda gera brigas internas regionais até hoje.

INÉDITOS - Desde que comecei a votar e a trabalhar na imprensa escrevendo sobre a política neoveneziana, nunca tinha visto vendedores ambulantes ganharem dinheiro vendendo camisetas de Bolsonaro, e também se eleger um governador que não seja dos partidos tradicionais. Vamos ver no que vai dar...

* Histórias baseadas em fatos reais da política de Nova Veneza

Por Marcelo Branco 27/10/2018 - 06:00Atualizado em 08/11/2018 - 22:10

DESAFIO – Há vários anos ouvi uma entrevista com o empresário Primo Menegalli no programa Café da Tarde, da Rádio Eldorado, na época apresentado pelo saudoso Francisco Milioli Neto. Menegalli falou da sua história que começou na roça no interior de Jacinto Machado, e quando era criança tinha o sonho de ser fazendeiro, ter um avião entre tantos outros projetos arrojados mas depois de muito trabalho tornou-os realidade. Ao longo destes anos curtiu suas conquistas mas depois de uma certa altura andava meio “aborrecido” como ele mesmo disse. Diante disso, foi numa psicóloga que após ouví-lo concluiu dizendo: “o Senhor precisa de um novo desafio”. Naquele momento, ele, que também gostava da política, entrou no cenário eleitoral se elegendo prefeito de Araranguá e reeleito. Sua gestão eficiente marcou naquele município como sendo uma das melhores da história. Entrar no cenário político, disputar eleições é um desafio e tanto, e quem está nos meios sonha em ser prefeito de seu município.  Hoje o filho de Primo Menegalli é o vice-prefeito em Araranguá. Lembro desta história porque em todos os municípios tem grandes, pequenos e médios empresários, e também os  cidadãos comuns que também sonham em comandar seu município mas para isso devem fazer política, se dedicar `a vida pública. Uma prefeitura não “cai” no colo de ninguém.
* Histórias baseadas em fatos da política de Nova Veneza

« »