Ir para o Conteúdo da página Ir para o Menu da página
Carregando Dados...
Por Lucas Rocco 07/11/2018 - 06:00Atualizado em 08/11/2018 - 22:02

Por Renato Augusto

Um dos maiores gestores do Brasil, está otimista com a performance brasileira do que a de mercados internacionais. A equipe de Appel, da Adam Capital, que possui pouco mais de dois anos de e- xistência e R$ 26 bilhões em ativos sob gestão, escreve que a Vitório do Jair Bolsonaro (PSL) é positiva e contribui no último mês para que os ativos locais se destacassem no portfólio dos investidores. Além de estar otimista com o Brasil, a equipe afirma que o cenário externo está desafiador, segundo o gestor a incerteza quanto ao crescimento no Japão, China e Zona do Euro para os próximos meses, aliada a esperada trajetória da alta das taxas de juros nos EUA, aumentam o risco para os países em desenvolvimento.

Brexit

A primeira-ministra britânica está reunida com sua equipe sênior para uma discussão sobre o Brexit, focada principalmente em como evitar problemas na fronteira irlandesa com o Reino Unido. Segundo a Bloomberg, a equipe de May pretende chegar a um acordo até o final de novembro, já que o Reino Unido deve deixar a UE em menos de cinco meses, com ou sem um acordo, a GBP tem negociado com volatilidade devido às incertezas que cercam o acordo Brexit. A moeda superou suas contrapartes nos últimos dias com o sentimento do mercado de que o assunto está evoluindo para uma solução favorável.

Por Lucas Rocco 06/11/2018 - 06:00Atualizado em 08/11/2018 - 22:03

Por André Ribeiro

Para hoje os investidores estarão de olho nas eleições legislativas nos Estados Unidos. É esperado um senado republicano, partido do presidente Donald Trump, e uma câmara democrata. Hoje ambos são republicanos. Esta definição um dos motivos para a cautela dos investidores nas negociações ontem. Se de fato o partido de Trump perder o congresso, os riscos de governabilidade aumentam e a mudança de agenda pode trazer mais volatilidade para os mercados.

Apple

Em seu melhor ano da história, a Apple registrou resultados recordes. No trimestre, as receitas atingiram US$62,9 bilhões e o lucro foi de US$14,1 bilhões, ambos acima do consenso do mercado, reflexo da combinação de preços mais altos do Iphone e forte demanda pelos modelos XR, XS e XS Max. Apesar dos números muito fortes, as ações da companhia perderam valor após a divulgação, tendo em vista as revisões para baixo sobre o resultado do próximo trimestre e, também, a mudança na metodologia de divulgação dos próximos resultados. A Apple não exibirá mais a quantidade unitária por aparelho vendido, e segmentará as margens da divisão de hardware e serviços. Segundo Tim Cook, CEO da companhia, a alteração visa demonstrar para os investidores a diversificação das fontes de receitas. Hoje o crescimento das receitas é puxado em 86% pela venda de Iphones, sendo objetivo da Apple fazer com que o segmento de serviços passe a responder por 60% deste crescimento nos próximos 5 anos.

Por Lucas Rocco 03/11/2018 - 06:00Atualizado em 08/11/2018 - 22:05

Por Diogo Yamassake

A primeira semana do nosso mercado após o resultado das eleições foi de otimismo dos investidores com a vitória do novo presidente do Brasil, Jair Bolsonaro. A bolsa de valores brasileira fechou a semana com valorização de 3,15% aos 88.419 pontos. 

O destaque ficou por conta das ações ordinárias da TIM (TIMP3), que se valorizou 14,21% cotada em R$ 12,14.

TIM

A TIM Participações concluiu sua reorganização interna, com a fusão da empresa dedicada à telefonia móvel, TIM Celular, com a TIM S.A., concentrada no setor de telefonia fixa.    

A medida tem como objetivo "capturar sinergias operacionais e financeiras através da implantação de uma estrutura de processo mais eficiente, assim como sistemas de contabilidade e controle internos", segundo a operadora.

Por Lucas Rocco 01/11/2018 - 06:00Atualizado em 08/11/2018 - 22:06

Por André Ribeiro

O Ibovespa e o nosso câmbio oscilaram bastante ontem, no último pregão do mês, com o mercado pressionado, em compasso de espera por anúncios significativos pelo novo governo e, também, na espera de uma definição sobre a cessão onerosa no Senado, com potencial de destravar muito valor na Petrobras. Ontem o presidente eleito, Jair Bolsonaro, anunciou o astronauta Marcos Pontes como futuro ministro da Ciência e Tecnologia e, segundo a mídia, há conversas bem encaminhadas com o juiz Sergio Moro para o ministério da Justiça. Também correram boatos sobre a entrada de Joaquim Levy na presidência do BNDES. Independente de tudo isto, o mercado segue na expectativa pela área econômica, além do comando das principais estatais. Com tudo isto, o câmbio fechou ontem com o Dólar avançando 0,87% frente ao Real, indo para R$3,72. Mesmo com a alta de ontem, o Dólar caiu em outubro aproximadamente 8%. Já o principal índice da bolsa de valores brasileira, o Ibovespa, encerrou o dia de ontem avançando 0,62%, indo para 87.423 pontos. No mês marcado pelas eleições, o Ibovespa fechou com ganhos de 10,19%

Cielo

A Cielo, que passa por situação delicada, vendo seus custos subirem, margens diminuírem, dada a disrupção que ocorre no seu setor, anunciou seu resultado referente ao terceiro trimestre deste ano. A companhia reportou uma receita líquida de R$2,96 bilhões no trimestre, abaixo da estimativa do mercado, significando uma evolução de 1,2% sobre o trimestre anterior e 1,1% sobre o mesmo período no ano passado. O resultado abaixo do esperado se deu ainda pelo ambiente competitivo muito intenso, refletindo em preços pressionados e uma menor receita de aluguel de máquinas. Outros destaques no resultado foram para o volume de débito que contraiu 2,8% nos últimos 12 meses, os pontos de venda ativos que estabilizaram no trimestre e o resultado de aquisição de recebíveis que seguiu contraindo. Em suma, a Cielo mostrou mais um trimestre bastante desafiador, porém a estabilização de alguns pontos no seu resultado indica que a empresa pode estar começando a ver o reflexo das suas iniciativas em marketing e novos produtos. As ações da Cielo caíram 40% somente este ano. Ontem, após o anúncio, as ações da companhia reagiram bem, subindo 4,51%.

Por Lucas Rocco 31/10/2018 - 06:00Atualizado em 08/11/2018 - 22:07

Por Diogo Yamassake

Após uma segunda feira (29) de realização de lucros no primeiro pregão após da vitória do novo presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, a bolsa de valores brasileira teve um pregão de forte alta nessa terça feira (30), com valorização de 3,69% aos 86.885 pontos. O destaque ficou por conta das ações preferenciais da Telefônica (VIVT4) que dispararam 14,36%, após registrar receita operacional líquida de R$ 10,8 bilhões no terceiro trimestre de 2018 e um lucro liquido de R$ 3,2 bilhões.

Dólar Comercial

O dólar comercial teve leve queda de 0,40% no pregão dessa terça-feira, cotado a R$ 3,6906.

Por Lucas Rocco 26/10/2018 - 06:00Atualizado em 26/10/2018 - 22:24

Depois da intensa pressão que o mercado financeiro global atravessou nesse meio de semana, os investidores optaram pela volta às compras de ações, principalmente aqui no Brasil. O Ibovespa recuperou o patamar de 84 mil pontos, depois da grande pressão na véspera, com o exterior assustando com problemas ligados aos juros nos EUA, aos problemas italianos, sauditas e a ansiedade pelos resultados das empresas norte-americanas.

Exterior

O mercado segue receoso com o risco de a competição comercial entre as duas maiores economias do mundo, EUA x China, influenciar a inflação norte-americana, ao elevar os preços das matérias-primas e importados, ao elevar a inflação e pressionar o FED (Banco Central EUA). Mais aumentos na taxa de juros da maior economia do mundo, nos EUA, poderá gerar mais pressão nas moedas emergentes e criar um concorrente importante para o mercado acionário, com os investimentos de menor risco pagando um prêmio maior.

1 2 3 4 5 6 »